Premiê israelense diz que líderes começam a entender ameaça terrorista

Líderes israelenses se juntaram às famílias dos quatro judeus mortos durante a cerimônia fúnebre nesta terça-feira (13)

iG Minas Gerais | Folhapress |

Corpos dos judeus, vítimas de ato terrorista a um mercado em Paris, são velados nesta terça-feira (13)
JIM HOLLANDER / POOL / AFP
Corpos dos judeus, vítimas de ato terrorista a um mercado em Paris, são velados nesta terça-feira (13)

O premiê Israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou durante o funeral de Yohan Cohen, Philippe Braham, François-Michel Saada e Yoav Hattab --mortos por Amedy Coulibaly durante a invasão a um supermercado kosher em Paris-- que os dirigentes mundiais começam a entender a ameaça que constitui o extremismo islâmico depois dos atentados na França.

"Creio que a maioria entende --ou ao menos começa a entender-- que o terrorismo cometido pelo islã extremista representa uma ameaça clara e real para a paz no mundo em que vivemos", disse. Líderes israelenses se juntaram às famílias dos quatro judeus mortos durante a cerimônia.

Parentes das vítimas fizeram discursos e acenderam velas em suas memórias. O presidente Rouven Rivlin afirmou que o país inteiro lamenta as mortes.

"Não é assim que nós queríamos recebê-los em Israel. Nós queríamos vocês vivos. Em momentos como este, eu fico com o coração partido, tremendo e com muita dor, e uma nação inteira chora junto comigo", disse o presidente Reuven Rivlin.

As mortes chocaram a comunidade judaica na França --que conta com cerca de 500 mil pessoas e é a maior da Europa-- e aumentaram o medo nas outras comunidades judaicas do continente. Líderes de Israel têm chamado judeus para imigrar para o país. No entanto, Rivlin frisa que a mudança deve ser por "amor a Israel".

"O retorno não tem de ser por causa do choque, do desespero e em meio à destruição, ao terror e ao medo", disse.

"O terrorismo nunca nos derrubou e nós não queremos que isso os domine, Israel é uma pátria de escolha. Nós queremos que vocês escolham Israel porque vocês amam Israel", completou.