A voz da Massa

iG Minas Gerais |

Saudações alvinegras. Muitos torcedores comentam sobre a grande quantidade de jogadores no elenco alvinegro. Parece que Levir Culpi vai trabalhar com mais de trinta homens nesta temporada. A crítica dos torcedores se justifica, pois eu sei por experiência própria que num grupo “inchado” os problemas tendem a aparecer. Por exemplo, alguns jogadores podem se sentir relegados e começar a formar grupinhos, espalhar conversinhas e minar todo o grupo. No entanto, é bom lembrar que Levir Culpi sabe muito bem trabalhar com o grupo, incentivando a todos, mesmo os que não estiverem atuando. Eu que trabalhei com ele conheço bem essa sua característica. Para entrar na lista dele basta estar pronto, pois o técnico escolhe sempre quem estiver melhor, independentemente do nome. Além do que, o Galo tem muitas competições para disputar.

A voz Celeste Saudações celestes nação azul. E o ano começa movimentadíssimo nos bastidores do futebol tetracampeão brasileiro, o que não é de se estranhar, afinal, a visibilidade que o gigante de Minas tem não é pra qualquer clube. Temos uma torcida muito exigente e atualmente bastante insatisfeita, pelas saídas de alguns dos nossos principais jogadores, e agora tem esse fato recente envolvendo Ricardo Goulart e o futebol chinês. Entretanto, olho para o nosso treinador e me tranquilizo, o melhor técnico do Brasil, são dois anos de supremacia celeste nacional. Regresso aos tempos da minha infância e resgato a memória do saudoso Ênio Andrade, o homem que tinha a fórmula para fazer o Cruzeiro se reerguer das cinzas, e é dessa forma que eu também vejo Marcelo Oliveira, e confio plenamente no nosso comandante, afinal, é um profissional de extrema competência.

Avacoelhada Nos três últimos anos, a falta de planejamento no profissional prejudicou o desenvolvimento dos promovidos. Os sub-23 precisam passar por etapas programadas de melhoria contínua. No mínimo, participarem dos 15 minutos finais de todos os coletivos, preferencialmente sem serem improvisados, e escalados aos poucos nas competições. Diego mostrou qualidades para ter sido mais bem trabalhado e ter jogado mais vezes em 2014, a fim de se tornar o eventual substituto do Leandro Guerreiro ou assumir a titularidade este ano. Mas o promissor jogador perdeu espaço durante a série B, inclusive entre os reservas nos treinamentos. O atraso no desenvolvimento do Diego atrasou a evolução do Paulinho, que deveria ter subido depois da Copa São Paulo do ano passado. Na posição de primeiro volante, seria o momento de antecipar a promoção do Addam.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave