A pedido do governo, Aneel adia pagamento bilionário do setor elétrico

As distribuidoras que estão comprando energia extra desde o início de 2014 para atender seus clientes devem ter de pagar R$ 2,5 bilhões apenas nos meses de janeiro e fevereiro deste ano

iG Minas Gerais | Folhapress |

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aprovou nesta segunda-feira (12) o adiamento da data para pagamento de uma conta bilionária do setor elétrico. O motivo da decisão é um pedido claro do governo, já que o Planalto, o Ministério de Minas Energia e o Ministério da Fazenda ainda discutem uma solução para o caso. O vencimento estava previsto para esta terça-feira (13), mas, após a decisão, ele foi adiado para a última sexta-feira de janeiro, dia 30. As distribuidoras que estão comprando energia extra desde o início de 2014 para atender seus clientes devem ter de pagar R$ 2,5 bilhões apenas nos meses de janeiro e fevereiro deste ano. O valor ainda corresponde a pendências do ano passado. Como as empresas alegam não ter esse montante em caixa para honrar os compromissos, elas tiveram de pedir socorro ao governo. O mesmo pedido de ajuda já foi feito outras duas vezes no ano passado, quando elas conseguiram um aporte do Tesouro, de R$ 1,2 bilhão e dois empréstimos bancários, que somam R$ 17,8 bilhões. BILHÕES Desta vez, o pedido de socorro ocorreu em dezembro, tendo em vista o pagamento do dia 13 de janeiro, estimado em R$ 1,6 bilhão. O governo passou a estudar, então, o intermédio de um novo empréstimo bancário, desta vez exclusivo com instituições financeiras públicas. Como o acordo ainda não foi aprovado/firmado, a data precisou ser adiada para permitir a conclusão dessas negociações. Na decisão da agência, foi adiado o pagamento de pouco mais de R$ 1,54 bilhão, que é o valor dos contratos de curto prazo. Os R$ 600 milhões restantes correspondem a contratos bilaterais, que não necessariamente vencerão nesta terça-feira (13). Para estes casos, as distribuidoras terão de pagar com seu próprio caixa ou simplesmente dar calote nas geradoras, caso não possam pagar. Assim que o empréstimo sair, as empresas receberão os R$ 1,6 bilhão integralmente. Já para o mês de fevereiro, a conta deve fechar em R$ 900 milhões. Valor que também deve ser pago pelo empréstimo. Somando assim os R$ 2,5 bilhões.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave