Reality show de RuPaul ganha o país

Programa conduzido por drag queen norte-americana chega à sétima temporada e ganha versões estrangeiras

iG Minas Gerais |

Multiartista. Antes de se tornar apresentadora, RuPaul obteve sucesso como modelo e cantora
[CREDITO]logo tv / divulgação
Multiartista. Antes de se tornar apresentadora, RuPaul obteve sucesso como modelo e cantora

SÃO PAULO. “Nascemos nus, o resto é drag”, canta a artista norte-americana RuPaul, 54, na canção “Born Naked”. Os versos parecem traduzir o estilo e o legado da estrela do mundo drag – termo que designa homens que se travestem de mulher em performances. 

Desde 2009, ele está à frente do reality show “RuPaul’s Drag Race”, exibido no país pelo serviço de TV sob demanda Netflix. Em sua sétima temporada (que estreia em 26/1 nos EUA e chega ao Brasil ainda em 2015), a atração é uma competição em que participantes disputam a coroa de próxima superstar drag. Ganha quem mostrar mais carisma, singularidade, determinação e talento nas provas de costura, atuação e montação.

As provas transformaram o programa em fenômeno onde é exibido. A Netflix não fornece dados de audiência, mas é possível perceber que “RuPaul’s Drag Race” caiu no gosto brasileiro pelas festas em homenagem à atração e as turnês de ex-participantes pelas capitais do país.

“Sério?”, surpreende-se RuPaul, aos risos, quando a reportagem explica que haverá sete shows de suas afilhadas no Brasil de janeiro a março de 2015. “Esperava sucesso nos EUA, mas jamais imaginei que virasse hit mundo afora”, disse à reportagem, por telefone.

Na conversa, ele – fora dos palcos, RuPaul pede para ser chamado no masculino – confirmou a versão inglesa do programa, disse que está negociando uma edição alemã e contou que adoraria produzir um Drag Race brasileiro. “Estive no Rio de Janeiro no Carnaval de 1996 e adoraria voltar. Me diverti muito!”, relembra. “Os brasileiros são as pessoas mais bonitas que já vi na vida”, completa.

O sucesso, os fãs célebres – Scarlett Johansson e Lady Gaga são espectadoras declaradas –, e os contratos publicitários obtidos pelas participantes, porém, não mudam sua crença de que o drag ainda é uma cultura underground e deve permanecer assim. “Mesmo no mainstream, o drag tem um quê de politicamente incorreto”, comenta.

Supermodel. RuPaul Andre Charles, seu nome de batismo, cresceu em San Diego (EUA) como um garoto obcecado pelo trio pop e soul The Supremes, liderado pela cantora Diana Ross. Em 1987, ele se mudou para Nova York, onde se firmou nos clubes locais e conseguiu uma ponta no clipe “Love Shack”, do B-52’s. O sucesso veio com o disco “Supermodel of the World”, de 1992.

Até a estreia de “Drag Race”, a notoriedade de RuPaul estava relegada à memória do início dos anos 1990. “Agora vivo o auge da minha carreira, como vivi”. Apesar de estar há sete anos no ar, mama Ru, como é chamada pelas competidoras, diz que só agora o programa teve suas primeiras filhas. “Pela primeira vez, as concorrentes cresceram vendo ‘RuPaul’s Drag Race’. Elas entendem a linguagem e são competitivas de um jeito inédito”.

A troca de farpas entre as queens, aliás, rende momentos hilários. Mas por trás dos comentários ácidos, o programa retrata histórias de superação e de preconceitos contra as participantes, que, na maioria das vezes, não tiveram uma vida cor-de-rosa. “O programa é sobre as pessoas não terem medo de ser quem são, celebrando quem luta para fazer o melhor e superar as próprias limitações”, conta. O resto é drag.

Agenda

O Quê. Paul's Drag Race

Onde. Temporadas 1 a 6 no serviço de vídeo sob demanda Netflix

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave