Governo da Argélia diz que irmãos Kouachi não tinham ligação com país

Said, de 34 anos, e Cherif, de 32, são filhos de pais argelinos, mas nasceram na França

iG Minas Gerais | Agência Brasil |

Irmãos Kouachi e Amedy Coulibaly
AFP PHOTO / FRENCH POLICE
Irmãos Kouachi e Amedy Coulibaly

Os irmãos Said Kouachi e Cherif Kouachi, que mataram, na quarta-feira (7), 12 pessoas no atentado ao jornal francês Charlie Hebdo, não tinham qualquer ligação com a Argélia, afirmou neste domingo (11) o ministro dos Negócios Estrangeiros argelino, Ramtane Lamamra. "Nunca estiveram interessados em obter a nacionalidade argelina, mesmo quando o pai a tinha", disse Lamamra à rádio francesa RFI.

Said, de 34 anos, e Cherif, de 32, são filhos de pais argelinos, mas nasceram na França. Eles foram mortos na sexta-feira (9) pela polícia francesa após serem encontrados no prédio de uma gráfica em Dammartin-en-Goële, nos arredores de Paris, para onde fugiram após os ataques.

"É importante não identificar esses cidadãos franceses pelas suas origens", frisou o ministro, que participou neste domingo da marcha contra o terrorismo em Paris. A Argélia é um dos países onde o grupo extremista Jihad Islâmico tem células ativas.

Leia tudo sobre: terrorismoParisArgéliajihadistas