Cineasta italiano Francesco Rosi morre aos 92 anos

Francesco venceu o Grande Prêmio do Festival de Cannes em 1972 e era considerado um mestre dos filmes de investigação

iG Minas Gerais | AFP |

O cineasta italiano Francesco Rosi, vencedor do Grande Prêmio do Festival de Cannes em 1972 com  "O caso Mattei", morreu neste sábado aos 92 anos, informa a imprensa local.

Segundo o Corriere della Sera, o diretor e roteirista, que estava há dias acamado por causa de uma bronquite, morreu enquanto dormia.

Rosi, que nasceu em 15 de novembro de 1922 em Nápoles, entrou para o mundo do espetáculo depois de estudar Direito.

Começou teatro e seguiu para o cinema, onde, em 1948, foi assistente de Luchino Visconti no filme "A terra treme".

Sua colaboração com Visconti se prolongou em outros projetos como filme "Bellíssima", do quasl foi roteirista.

Era considerado um dos mestres dos filmes de investigação e, em 1961, sua obra "Salvatore Giuliano" sobre o bandido siciliano foi sucesso em nível internacional.

Em 1963, ganhou o Leão de Ouro de Veneza com o filme "As mãos sobre a cidade", com Rod Steiger.

Dez anos mais tarde, em 1972, consegue o Grande Prêmio do Festival de Cannes com "O caso Mattei", que trata da morte em circunstâncias estranhas de Enrico Mattei, o presidente do grupo petroleiro ENI, em 1962.

O Festival de Berlim concedeu a ele o Urso de Ouro por sua carreira em 2009, e a Mostra de Veneza deu o Leão de Ouro pelo mesmo motivo em 2012. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave