Inflação da China em dezembro fica perto de mínima em 5 anos

A segunda maior economia do mundo ainda enfrenta problemas neste ano com a persistência da fraqueza do mercado imobiliário

iG Minas Gerais | Folhapress |

A inflação anual ao consumidor da China fechou em 2% no ano passado --índice muito abaixo dos 3,5% fixados pelo governo, sinalizando uma fraqueza persistente na economia, mas dando às autoridades mais espaço para afrouxar a política monetária com o objetivo de sustentar o crescimento. A segunda maior economia do mundo ainda enfrenta problemas neste ano com a persistência da fraqueza do mercado imobiliário, com governos locais e empresas mostrando dificuldades para pagar dívidas. "Deflação neste ano é definitivamente um risco", disse Minggao Shen, economista do Citi. "Continuamos a argumentar que deflação dá mais espaço para afrouxamento de política. Nosso melhor cenário ainda é de mais dois cortes de juros no primeiro semestre deste ano e talvez de três a quatro cortes de compulsório neste ano." Sobre novembro, o índice de preços ao consumidor avançou 0,3% em dezembro, informou a Agência Nacional de Estatísticas nesta sexta-feira (9), em linha com as expectativas de economistas. Já o índice de preços ao produtor em dezembro recuou 3,3% sobre um ano antes, 34º mês seguido de deflação e o maior recuo desde setembro de 2012, uma vez que a demanda fraca afeta o poder de precificação das empresas. O mercado esperava queda de 3,1% nos preços ao produtor. POLÍTICA MONETÁRIA Apesar dos índices de inflação preocupantes, o banco central da China disse nesta sexta-feira, em comunicado, que continuará com uma política monetária "prudente" em 2015, mantendo o crescimento do crédito estável e fazendo um ajuste fino quando necessário. A autoridade monetária disse, porém, que irá acelerar o ritmo da reforma da taxa de juros orientada pelo mercado e pressionará para aumentar a conversibilidade do iuan. O anúncio reitera a posição do Banco do Povo da China sobre a estabilidade da política monetária mesmo em um momento de especulação de que Pequim terá que adotar medidas para estimular o crescimento e conter pressões deflacionárias, especialmente por meio de corte das taxas de depósitos compulsórios para os bancos.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave