Seis meses após 7 a 1, minoria dos jogadores foi esquecida na seleção

Dos 14 atletas que atuaram no jogo com Alemanha, somente cinco não foram mais chamados por Dunga

iG Minas Gerais | Folhapress |

Aprendizagem. Brasil pode usar o exemplo da Alemanha, 3º lugar nas duas últimas Copas, para buscar motivação
LEO FONTES / O TEMPO
Aprendizagem. Brasil pode usar o exemplo da Alemanha, 3º lugar nas duas últimas Copas, para buscar motivação

A goleada da Alemanha sobre o Brasil, por 7 a 1, na semifinal da Copa do Mundo de 2014, completa exatamente seis meses nesta quinta-feira (8).

O resultado poderia significar o fim da linha para muitos jogadores na seleção, dado o tamanho do vexame em pleno Mineirão, em Belo Horizonte. Mas não foi isso que se viu.

Depois do fatídico jogo, disputado no dia 8 de julho de 2014, a seleção ainda conta com muitos dos jogadores que estiveram em campo contra os alemães.

Dos 14 atletas que atuaram, somente cinco não foram mais chamados por Dunga, que substituiu Luiz Felipe Scolari após o término da Copa: o goleiro Júlio César, o zagueiro Dante, o volante Paulinho, o meia-atacante Bernard e o atacante Fred.

Desde que assumiu a seleção novamente, Dunga fez três convocações e terminou 2014 com 100% de aproveitamento no time nacional: foram seis vitórias em seis jogos.

Um alento para uma equipe que vinha de uma humilhação tão grande como a do dia 8 de julho. Na ocasião, a Alemanha não tomou conhecimento do Brasil que era então comandado por Felipão e venceu com gols de Müller, Klose, Kroos (2), Khedira e Schürrle (2). Oscar descontou.

A derrota está entre as mais dolorosas dos 100 anos de história da seleção brasileira. Até aquela partida, o Brasil nunca havia perdido por uma diferença tão grande de gols em Mundiais.

O resultado igualou a maior diferença de gols em uma derrota. Em 1920, a seleção, que completou um século de vida em 2014, perdeu por 6 a 0 para o Uruguai pela Copa América.

A surra do Mineirão se juntou ao Maracanazo como as maiores tragédias do futebol nacional. Em 1950, o Brasil jogava pelo empate contra o Uruguai, mas perdeu por 2 a 1 de virada na frente de 173,8 mil pessoas.

Como se não bastasse, a seleção ainda foi derrotada pela Holanda, por 3 a 0, na disputa pelo terceiro lugar da competição.

VEJA SITUAÇÃO DOS JOGADORES QUE PEGARAM ALEMANHA:

JÚLIO CÉSAR Depois de passar por times de pequena expressão, como Queens Park Rangers e Toronto FC, Júlio César foi para o Benfica, de Portugal. O goleiro anunciou a aposentadoria da seleção logo após a Copa.

MAICON O lateral direito chegou a ter chances com Dunga, mas ganhou destaque negativo quando foi cortado da delegação que disputou dois amistosos nos Estados Unidos, em setembro, por indisciplina. Apesar disso, o treinador não descartou chamar o jogador em futuras convocações. Em outubro, ele renovou contrato com a Roma.

DAVID LUIZ O zagueiro do Paris Saint-Germain tinha moral com Felipão. E isso parece inabalável com Dunga. O jogador foi chamado pelo treinador nas três convocações desde que ele assumiu a seleção.

DANTE O zagueiro continua a ser uma peça importante no Bayern de Munique. Na seleção, não. Depois da goleada sofrida para a Alemanha, Dante não foi mais lembrado por Dunga. E nem ele acredita nisso. Em entrevista para a revista "Sport Bild", em outubro, ele afirmou que não espera mais ser chamado para o time nacional.

MARCELO O lateral esquerdo do Real Madrid era nome certo na Copa do Mundo de 2014 muito antes da convocação final. Mas suas apresentações deixaram muitas dúvidas. Com Dunga, o jogador só foi chamado no fim de agosto por causa de uma lesão de Alex Sandro, do Porto.

LUIZ GUSTAVO O volante do Wolfsburg, titular na Copa do Mundo com Felipão, conta também com a confiança de Dunga. O jogador foi convocado nas três convocações que o treinador fez até aqui.

FERNANDINHO Assim como Luiz Gustavo, Fernandinho também foi lembrado em todas as convocações de Dunga. É titular no Manchester City.

OSCAR Titular também com Dunga, o meia do Chelsea é considerado uma das bases da seleção. Em novembro, o jogador afirmou que tem mais liberdade para jogar com Dunga no comando do time.

BERNARD Sempre muito elogiado por Felipão, o meia-atacante do Shakhtar Donetsk perdeu espaço depois da Copa e não foi mais convocado por Dunga. Bernard entrou em polêmica ainda com o treinador do time ucraniano, já que se atrasou para se apresentar ao seu clube, em agosto. Na ocasião, o técnico chamou o atleta de "jogador de Twitter".

HULK O atacante do Zenit estava na primeira lista de Dunga, mas acabou cortado por lesão. Depois, não apareceu mais nas convocações do treinador. A CBF chegou a estranhar que o jogador tenha se recuperado rapidamente da lesão que o afastou da seleção. O clube russo e o atacante negaram problemas e disseram ter enviado toda a documentação com os exames mostrando que havia lesão.

FRED O atacante do Fluminense, muito criticado pelo baixo desempenho na Copa do Mundo, terminou o Campeonato Brasileiro como artilheiro, com 18 gols. O jogador anunciou a aposentadoria da seleção logo após o término da Copa.

PAULINHO O volante continua encostado no Tottenham. Em meio a muitas especulações sobre uma transferência, o jogador ainda não teve uma chance com Dunga.

RAMIRES Ramires esteve em duas das três convocações de Dunga. Na penúltima, ele acabou cortado por causa de uma lesão.

WILLIAN Um dos destaques do Chelsea, o meia foi chamado por Dunga em suas três convocações até aqui.

Leia tudo sobre: brasilalemanhagoleadacopa do mundoogadoresdunga