IGP-DI fecha 2014 com alta acumulada de 3,78%

Com a alta de dezembro, o índice fechou o ano com variação acumulada de 3,78%, resultado inferior aos 5,52% da variação do IGP-DI de 2013

iG Minas Gerais | Folhapress |

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) desacelerou significativamente no último mês do ano, fechando dezembro em 0,38% --queda de 0,76 ponto percentual em relação à variação de novembro, de 1,14%. Em dezembro de 2013, a variação foi 0,69%. As informações são da Agência Brasil. Com a alta de dezembro, o índice fechou o ano com variação acumulada de 3,78%, resultado inferior aos 5,52% da variação do IGP-DI de 2013 (queda de 1,74 ponto percentual). O IGP-DI de dezembro foi calculado com base nos preços coletados entre os dias 1º e 31 do mês de referência. O índice foi divulgado hoje (8) pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas e indica retrações em três dos quatro grupos que compõem o indicador, com destaque para o IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), com peso de 60% na composição do IGP-DI. Depois de fechar novembro com variação positiva de 1,44%, o índice que mede os preços aos produtores registrou, em dezembro, variação de 0,3%. O principal responsável por este movimento foi o subgrupo alimentos in natura, cuja taxa fechou dezembro em 2,55%, depois da alta de 7,89% de novembro. O grupo matérias-primas brutas, cuja taxa de variação caiu de 1,86% para uma deflação (inflação negativa) de 0,87%, de novembro para dezembro, chegou a apresentar retração de 2,73 pontos percentuais entre um período e outro. A principal influência para a desaceleração nos preços do grupo veio da soja em grão, cujo preço caiu de 5,81% para 0,91%, entre novembro e dezembro; bovinos (6,35% para 1,82%); e milho (em grão) (13,45% para 4,37%). Também o índice do grupo bens intermediários apresentou taxa de variação menor, caindo para 0,32% em dezembro, depois da alta de 1,42% no mês de novembro. O principal responsável pelo recuo foi o subgrupo materiais e componentes para a manufatura, cuja taxa de variação passou de 1,43% para -0,04%. Já o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), com peso de 30%, registrou variação de 0,75%, em dezembro, ante 0,65% no mês anterior. Cinco das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram acréscimo em suas taxas de variação. A contribuição de maior peso para o avanço partiu do grupo Alimentação (0,65% para 1,06%). Nessa classe de despesa, destaca-se o comportamento do item alimentos prontos congelados, cuja taxa passou de -0,55% para 2,69%. Também apresentaram acréscimo na taxa de variação os grupos transportes (de 0,62% para 0,66%); saúde e cuidados pessoais (0,42% para 0,52%); vestuário (0,46% para 0,72%); e comunicação (0,31% para 0,49%). Nessas classes de despesa, o destaque foi o comportamento dos itens tarifa de táxi (0,00% para 8,67%), artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,16% para 0,24%), roupas (0,38% para 0,94%) e tarifa de telefone móvel (0,57% para 1%), respectivamente. Por fim, com peso de 10% na composição do IGP-DI, o INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) registrou, em dezembro, variação de 0,08%, abaixo do resultado do mês anterior, de 0,44%. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,18%. No mês anterior, a taxa havia sido 0,42%. O índice que representa o custo da mão de obra variou em dezembro. No mês anterior, o índice ficou em 0,46%.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave