Ambulâncias paradas em pátio

Dezenove veículos do Samu deveriam integrar sistema de atendimento atrasado há quase seis meses

iG Minas Gerais | Bernardo Miranda |

Sem uso. Ambulâncias foram adquiridas para a Copa do Mundo e ficaram encostadas após o Mundial
MOISES SILVA / O TEMPO
Sem uso. Ambulâncias foram adquiridas para a Copa do Mundo e ficaram encostadas após o Mundial

As ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) que foram utilizadas durante a Copa do Mundo estão paradas há quase seis meses em um pátio da Prefeitura de Santa Luzia, na região metropolitana da capital, sem qualquer utilidade. Os 19 veículos estão se deteriorando, expostos ao sol e à chuva, em meio ao mato que cresce no estacionamento. Os equipamentos serviram de reforço no atendimento médico durante o Mundial e deveriam estar em atuação na Rede de Urgência e Emergência Macro Centro, que abrange 103 municípios das regiões metropolitana e Central e que não foi implantada até o fim da competição, como prometido. O caso foi denunciado por O TEMPO em outubro, mas, apesar da promessa da Secretaria de Estado de Saúde (SES), o problema não foi resolvido.

A rede Macro Centro é gerenciada pelo Consórcio Aliança. A previsão é que 98 ambulâncias façam o atendimento nos 103 municípios e beneficiem seis milhões de pessoas. Em outubro do ano passado, o então secretário de Estado de Saúde, José Geraldo de Oliveira, afirmou que um dos motivos para o atraso eram pendências nas negociações entre os municípios beneficiados. Tanto a gestão da SES quanto a do Consórcio Aliança passaram por mudanças, e agora os novos administradores disseram que estão analisando medidas para agilizar o funcionamento do Samu. Enquanto o serviço não entra em operação, as ambulâncias continuam ociosas, o que pode colocar em risco a durabilidade dos equipamentos. Entre eles estão balões de oxigênio e desfibriladores. Juntos, os 19 veículos valem R$ 2,4 milhões. “Tudo que fica parado, sem uso, vai se deteriorando. Eu não sei se esses equipamentos foram remanejados para ambulâncias que já estão em operação, mas isso seria uma opção para evitar esse problema”, afirmou a professora do curso de gestão da saúde da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Marília Alves. Enquanto as ambulâncias não rodam, quem sofre é a população. Moradora de Sete Lagoas, uma das cidades que integram o consórcio, a secretária Cristiane Soares, 23, já precisou do serviço de emergência, mas não foi atendida. “A gente paga imposto para ter um serviço que não existe”, lamentou. Questionada sobre a data para o início da Rede Macro Centro e sobre a existência de outro local para guardar as ambulâncias, a SES não se manifestou até o fechamento desta edição.

Promessa Governo. Na campanha eleitoral, Fernando Pimentel (PT) – governador eleito – fez duras críticas à gestão passada sobre o não funcionamento do Samu e disse que sanaria o problema.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave