Diretor e mais três chargistas do Charlie Hebdo estão entre os mortos

Um sobrevivente do ataque reconheceu os colegas assassinados; publicações do semanário costumavam despertar a ira de grupos étnicos e religiosos extremistas

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

A combination of file photos made on January 7, 2015 shows (top from L) French cartoonist Jean Cabut, aka Cabu, posing at his home in Paris on December 10, 2008, French cartoonist Tignous posing in Cannes on May 17, 2008, (bottom from L) French satirical weekly Charlie Hebdo's publisher, known only as Charb, posing in Paris on December 27, 2012 and French cartoonist of the satirical newspaper Charlie Hebdo Georges Wolinski poSing in Angouleme on January 26, 2006. At least 12 people were killed, including cartoonists Charb, WolinsKi, Cabu and Tignous, when gunmen armed with Kalashnikovs and a rocket-launcher opened fire in the Paris offices of French satirical weekly Charlie Hebdo on January 7, 2015.  AFP PHOTO / STEPHANE DE SAKUTIN / FRANCOIS GUILLOT / FRANCOIS GUILLOT / PATRICK BERNARD
AFP
A combination of file photos made on January 7, 2015 shows (top from L) French cartoonist Jean Cabut, aka Cabu, posing at his home in Paris on December 10, 2008, French cartoonist Tignous posing in Cannes on May 17, 2008, (bottom from L) French satirical weekly Charlie Hebdo's publisher, known only as Charb, posing in Paris on December 27, 2012 and French cartoonist of the satirical newspaper Charlie Hebdo Georges Wolinski poSing in Angouleme on January 26, 2006. At least 12 people were killed, including cartoonists Charb, WolinsKi, Cabu and Tignous, when gunmen armed with Kalashnikovs and a rocket-launcher opened fire in the Paris offices of French satirical weekly Charlie Hebdo on January 7, 2015. AFP PHOTO / STEPHANE DE SAKUTIN / FRANCOIS GUILLOT / FRANCOIS GUILLOT / PATRICK BERNARD

Entre os 12 mortos no ataque terrorista ocorrido na manhã desta quarta-feira (7) no semanário francês "Charlie Hebdo" - conhecido por seu caráter crítico e satírico e por episódios polêmicos como a publicação da história de Maomé em quadrinhos - está o diretor e chargista da publicação, Stephane Charbonnier, o Charb, de 47 anos. Além dele, foram assassinados também os cartunistas Jean Cabut, Georgers Wolinski e Bernard Verlhac, o Tignous. Um sobrevivente do ataque reconheceu os colegas e por isso, foi possível identificá-los.

A publicação e arte dos chargistas e cartunistas do Charlie Hebdo são conhecidas pelas sátiras polêmicas e por mexer com tradições e religiões extremamente rígidas.  Como por exemplo, o desenho de um judeu ortodoxo empurrando uma cadeira de rodas com um homem de túnica e turbante na capa de uma das edições. Ou um desenho no interior da publicação em uma das edições onde Maomé, o profeta do Islã, está deitado na cama dizendo "E meu traseiro, você gosta do meu traseiro?", parafraseando a atriz francesa Brigitte Bardot no filme cult "O Desprezo", de Jean-Luc Godard.

Quando decidiu publicar a vida de Maomé em quadrinhos, Charb disse, na ocasião, à uma rádio francesa: "Se começamos a questionar o direito de caricaturar ou não Maomé, se é perigoso ou não fazê-lo?, a questão seguinte será se poderemos representar os muçulmanos no jornal? Depois vamos perguntar se podemos mostrar seres humanos?, etc, etc. E no final, não mostraremos mais nada. Neste caso, a minoria de extremistas que agitam o mundo e a França terão ganhado.”

Outros mortos ainda não foram identificados. O presidente François Hollande dirigiu-se até o local do atentado e confirmou tratar-se de um ataque terrorista, o mais violento registrado na França em 40 anos.

O jornal já foi vítima de outros ataques terroristas, por exemplo, em 2011, quando sua sede foi destruída em um incêndio de origem criminosa depois da publicação de um número especial sobre a vitória do partido islâmico Ennahda na Tunísia, no qual o profeta Maomé era p "redator principal". 

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave