Come together with jazz!

Compositor mineiro lança amanhã álbum em que repagina dez canções dos Beatles em um formato versátil de jazz

iG Minas Gerais | LUCAS SIMÕES |

Show. Túlio Mourão comanda seu trio jazzístico no piano, que ele aprendeu a tocar aos 6 anos e ainda o acompanha em sua versátil carreira musical
NETUM LARA/DIVULGAÇÃO
Show. Túlio Mourão comanda seu trio jazzístico no piano, que ele aprendeu a tocar aos 6 anos e ainda o acompanha em sua versátil carreira musical

Aos 6 anos, Túlio Mourão se via dividido entre jogar bola, estourar bolhas de sabão, estudar e, invariavelmente, praticar piano clássico pelo menos uma hora por dia. Apesar de uma rotina musical erudita desde criança, ele só decidiu viver de música ao ser mordido pela mosca beatlemaníaca que atiçou o mundo todo no início dos anos 60. É por isso que, depois de uma carreira consagrada como arranjador e músico de Caetano Veloso, Milton Nascimento, Chico Buarque e outros gigantes da MPB, ele realiza agora o sonho de fazer sua própria leitura das clássicas canções do quarteto de Liverpool. Em um formato de jazz pop instrumental, o músico apresenta, amanhã à noite, o álbum “Come Together – Túlio Mourão Plays Beatles”, em único show no Cine Theatro Brasil Vallourec.

É claro que quando o assunto são os Beatles, as repaginações da obra dos fab four parecem não ter fim em infinitas possibilidades criativas – a exemplo das recentes releituras mineiras, como os arranjos sinfônicos da Orquestra de Ouro Preto e os instrumentos inusitados que vão de canos de PVC a latas de refrigerante, usados no aplaudido álbum instrumental “Uakti – Beatles” (2012).

A diferença do olhar de Túlio Mourão para a obra da maior banda de rock do mundo, no entanto, está na concepção e na forma como as fantásticas melodias do quarteto britânico são remodeladas em cima das harmonias originais. Em primeiro lugar, este é o primeiro álbum do compositor mineiro – entre outras 12 criações autorais – todo concebido por financiamento coletivo (crowdfunding), em que apoiadores puderam fazer doações de R$ 30 até R$ 7.000 – atingindo a meta de R$ 45 mil.

“O trabalho de o público acompanhar o processo é muito rico e bonito de ser vivenciado; é onde você reforça amizade, cooperação e respeito com quem te ouve. E o nome ‘Come Togheter’ que o disco recebeu, da canção de Lennon/McCartney, também revela essa vontade de vir junto, chamando o público, como faz, literalmente, a letra da música”, atesta Mourão.

Por esse clima coletivo de criação, as gravações no estúdio Bemol, em outubro do ano passado, revelaram mais do que a escolha de canções dos Beatles para ganhar novos arranjos calcados no jazz. Isso porque as 11 faixas que compõem o álbum foram gravadas com improvisos que tangenciam o blues, o rock e até o samba, em um formato de trio (piano, baixo e bateria), com a participação dos baixistas Eneias Xavier, Pablo Souza e Wagner Faria, e dos bateristas Lincoln Cheib e Edvaldo Ilzo. Para dar um toque de brasilidade ainda maior às improvisações inerentes ao estilo de Túlio Mourão, o pandeirista mineiro Túlio Araújo ainda confere suingue percussivo à faixa “Lady Madonna”.

“O disco não é um jazz tradicional. Somos um trio em que até toque de rock’ n’ roll coloca em ‘Eleanor Rigby’ e na própria ‘Come Together’. Apesar de o piano ser o instrumento central, todos os músicos aparecem de forma transparente, porque o formato de trio é enxuto e dá mais liberdade. Eu procuro me desviar dos clichês jazzísticos e busco muito uma pegada mais expansiva”, elucida o compositor.

AUTORAL. Para o show de lançamento do seu novo álbum, que vai presentear o público com releituras de “She’s Leaving Home”, “Come Together” e “Hey Jude”, Túlio Mourão ainda vai incluir algumas canções de seu repertório autoral, usadas principalmente em trilhas de cinema. Entre elas, “Moça de Fino Trato”, gravada pelo conterrâneo Chico Amaral e presente no filme “Vagas para Moças de Fino Trato” (1993), e “Cinema Aventura”, gravada por Robertinho Silva para a trilha do longa “O Viajante” (1998), eleita a melhor música no Festival de Cinema de Brasília. “Vou pedir licença aos quatro carinhas de Liverpool para improvisar com minhas próprias músicas, como fiz com as deles. Porque o improviso é a alma da música”, diz Mourão.

Agenda

O QUE. Lançamento do disco “Come Together – Túlio Mourão Plays Beatles”

ONDE. Cine Theatro Brasil Vallourec (rua Carijós, 258, centro – praça 7)

QUANDO. Amanhã, às 20h

QUANTO. R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave