Santos investiga venda de direitos econômicos de revelações

Novo presidente quer saber quanto o Peixe recebeu e qual foi o destino dos valores dessas negociações

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Não importa em qual posição, o que Gabriel quer mesmo é jogar
FLICKR/SANTOS/PEIXE
Não importa em qual posição, o que Gabriel quer mesmo é jogar

O atacante Gabriel, principal revelação do Santos após a dupla Ganso e Neymar, teve 20% dos seus direitos econômicos vendidos ao fundo Doyen Sports, revelou o presidente santista Modesto Roma Júnior, que iniciou o mandato na última sexta-feira (2).

Agora, o Santos tem apenas 40% dos direitos daquela que é a maior aposta do elenco atual -a multa rescisória está estipulada em 50 milhões de euros. O restante dos direitos econômicos do jogador está dividido entre Gabriel (40%) e Doyen (20%).

Os valores recebidos pelo clube, no entanto, não foram revelados. Além de Gabriel, outros dois jogadores tiveram parte de seus direitos repassados para o fundo Doyen: o lateral direito Daniel Guedes (25%) e o atacante Geuvânio (35%).

Agora, o Santos ficou com 25% dos direitos econômicos de Daniel Guedes e 35% de Geuvânio. Roma Júnior admitiu em entrevista coletiva nesta terça-feira (6), na Vila Belmiro, em Santos, que a negociação foi feita pelo antecessor, Odílio Rodrigues, em dezembro, nos últimos dias de mandato. O atual mandatário também disse que iniciou uma investigação para avaliar quanto o Santos recebeu e qual foi o destino dos valores.

"Hoje, estamos tomando conhecimento do assunto, discutindo com o departamento jurídico. Não podemos dar os valores porque ainda estamos apurando. Também não podemos falar qual será nossa reação porque ainda não temos informações suficientes", disse o cartola.

O fundo Doyen Sports é o mesmo que ajudou o Santos a contratar o atacante Leandro Damião em janeiro do ano passado. O grupo investiu R$ 42 milhões para tirar o jogador do Internacional. O clube alvinegro se comprometeu a pagar o valor na última temporada em quatro parcelas mensais.

OUTRA PERDA

Modesto Roma Júnior também revelou que o volante Alison, outra revelação do Santos, teve 70% dos direitos econômicos negociados com o banco BMG.

Agora, o Santos não tem mais nenhuma porcentagem dos direitos econômicos, o que significa que não terá nenhum retorno no caso de venda do jogador.

O clube alvinegro ficou apenas com os direitos federativos do volante, que tem contrato até 31 de dezembro de 2017.