Médico suspeito de abusar de pacientes passa para prisão domiciliar

Ginecologista estava em prisão comum desde outubro de 2014; segundo denúncias de vítimas, profissional se masturbava durante consultas

iG Minas Gerais | CAROLINA CAETANO |

O ginecologista suspeito de abusar sexualmente de pacientes em Turmalina e Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, vai passar para um regime de prisão domiciliar. A informação foi confirmada pelo advogado do médico na manhã desta terça-feira (6).

Segundo o defensor Rodrigo Pimenta, a liminar favorável ao suspeito foi concedida na tarde dessa segunda-feira (5). “O pedido foi aceito ontem, mas ele deve deixar a prisão comum hoje e passar para a domiciliar. Provavelmente, ele ficará em Turmalina mesmo”, explicou Pimenta.

Sem entrar em detalhes, o advogado afirmou que o pedido de prisão domiciliar aconteceu por um problema na família do ginecologista. “Devido ao problema familiar, a Justiça entendeu que é necessária a presença dele no imóvel”, disse.

Na próxima semana, estão previstas três audiências para tentar que a prisão domiciliar seja revogada e ele possa responder o processo em liberdade. “São mais de 60 testemunhas. Por esse motivo será necessário três dias de audiência. A decisão deve ser divulgado no dia 15”, finalizou o defensor.

O ginecologista está preso desde o dia 17 de outubro de 2014. Ele foi investigado durante dois meses depois que quatro pacientes procuraram a delegacia de Turmalina para denunciar abusos sexuais.

Os crimes contra as mulheres, com idades entre 187 e 23 anos, teriam acontecido durante as consultas, quando, conforme denúncias, o suspeito se masturbava e tentava manter relações sexuais com as pacientes. Durante os atendimentos, não eram permitidas as presenças de enfermeiras e acompanhantes no consultório.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave