Pimentel revoga decisões de tucanos no Palácio Tiradentes

Governador petista anulou cinco atos e exonerou oito comissionados na Secretaria de Governo

iG Minas Gerais | Isabella Lacerda |

Comando. Fernando Pimentel posou para a foto oficial com todo o secretariado após primeira reunião do grupo para definir as primeiras ações do novo governo no Estado
Wellington Pedro/Imprensa MG
Comando. Fernando Pimentel posou para a foto oficial com todo o secretariado após primeira reunião do grupo para definir as primeiras ações do novo governo no Estado

Um dia após ser empossado, o governador de Minas, Fernando Pimentel (PT), determinou mudanças na administração estadual. No primeiro “Diário Oficial Minas Gerais” publicado neste sábado depois de o petista assumir a gestão, Pimentel revogou cinco atos definidos pelo antigo governo e ainda exonerou oito ocupantes de cargos do Executivo. Todas as alterações ocorreram na Secretaria de Governo.  

Os atos anulados dizem respeito diretamente às contas do Estado, que, como vem mostrando O TEMPO, passam por problemas. Neste mês, há ameaça de que os salários dos funcionários públicos relativo a dezembro não sejam pagos por falta de recursos em caixa. Neste sábado, o novo governador revogou a concessão de gratificação temporária estratégica de integrantes da Secretaria de Governo, ou seja, cortou benefícios financeiros concedidos a nomes do Executivo por meio da Lei Delegada 182, de 2011.

Já as exonerações atingiram funcionários e também subsecretários de pastas subordinadas a Secretaria de Governo, incluindo Gabriel Azevedo, subsecretário da Juventude e nome ligado ao PSDB, além de Hélio Rodrigues, de Assuntos Municipais.

Indicações. Três novos nomes também foram nomeados para desempenharem funções no novo governo. Para auxiliar o novo secretário de Governo, o petista Odair Cunha, Pimentel indicou Francisco Moreira para adjunto da pasta. Assim como vai ocorrer com os deputados estaduais, é possível que os deputados federais escolhidos para o secretariado de Minas só assumam de fato suas funções após o fim da atual Legislatura na Câmara dos Deputados, marcada para 1º de fevereiro. Assim, o secretário-adjunto seria o responsável por comandar a área neste mês.

Segundo um secretário, Pimentel já determinou que os adjuntos sejam nomeados ainda nos primeiros dias de governo para auxiliar os titulares do primeiro escalão a fazer os diagnósticos de cada pasta e identificar caixa disponível e prováveis mudanças no corpo do governo.

Marcelo Cavalcanti também foi escolhido como adjunto da Advocacia Geral do Estado. E, como já é praxe em Minas, o novo governador delegou a presidência do Serviço Voluntário de Assistência Social, o Servas, para sua noiva, Carolina de Oliveira Pereira. A ex-primeira-dama de Minas, Célia Pinto, mulher do ex-governador Alberto Pinto Coelho (PP), foi a última a ocupar o cargo.

Reforma Mudanças. O projeto que estabelece a reforma administrativa no novo governo deve ser enviado ainda nesta semana a Assembleia Legislativa. Ao todo, serão sete mudanças em secretarias.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave