Falta de educação é entrave a projeto

“É um jeito legal de conhecer os lugares. Mas, se a gente pudesse fazer sugestões, seria bom e facilitaria até mesmo para a empresa”, ponderou

iG Minas Gerais | Luiza Muzzi |

O teste nas estações do Bike BH revelou que os danos às magrelas são muito comuns. Nos dez pontos visitados, a reportagem encontrou uma bicicleta totalmente quebrada, 43 sem o retrovisor, quatro com pneu furado, duas com guidão danificado, uma com o selim cortado e uma sem a cestinha de suporte para objetos pessoais.

Ao usar o Bike BH pela primeira vez, o estudante do Mato Grosso Gustavo Bandeira, 23, aprovou o sistema, mas ressaltou que ainda falta uma ferramenta no aplicativo que permita a notificação de problemas encontrados pelos usuários nas bikes – a dele estava com os pneus murchos.

“É um jeito legal de conhecer os lugares. Mas, se a gente pudesse fazer sugestões, seria bom e facilitaria até mesmo para a empresa”, ponderou. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave