Ex- diretor se defende de acusações e afirma que Dilma é a responsável

Em entrevista, o ex-presidente da estatal negou que esteja com os bens bloqueados como determinou, em agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes

iG Minas Gerais |

Salvador. Alvo de acusações contra sua gestão de sete anos à frente da Petrobras, o economista baiano José Sérgio Gabrielli que, até a última quinta-feira, comandava a secretaria de Planejamento do governo da Bahia, quebrou o silêncio que vinha se impondo.

Em entrevista, o ex-presidente da estatal negou que esteja com os bens bloqueados como determinou, em agosto, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. “Não houve bloqueio. Até agora, o bloqueio não aconteceu. Também não houve quebra de sigilo. Há pedidos, mas não efetivação”, disse.

Além disso, Gabrielli afirmou que nem ele e nem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva têm responsabilidade sobre os contratos ditos irregulares na estatal, e ressaltou que a presidente Dilma Rousseff e o ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, presidiam o Conselho de Administração da Petrobras à época dos fatos.

“Objetivamente não tem nenhuma acusação contra mim. Existem vários fatos que estão em investigação, mas nenhum deles se refere a minha pessoa e nem ao ex-presidente Lula. Os fatos que acontecem, hoje, na Petrobras são resultado da história da empresa. Portanto, não tem como atribuir a um ou outros (a responsabilidade). Há responsabilidades individuais que têm que ser apuradas. E os procedimentos da companhia são regulares”, disse Gabrielli.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave