Não somos ladrões', diz Gilberto Carvalho em saída da Secretaria-Geral

O petista também ironizou quem se refere ao PT como uma quadrilha, em função da condenação no mensalão, que levou à prisão integrantes da cúpula do partido

iG Minas Gerais | Folhapress |

Planalto endurece o jogo e ameaça fazer cortes nas emendas parlamentares
José Cruz/ABr
Planalto endurece o jogo e ameaça fazer cortes nas emendas parlamentares

 Ao transmitir o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, o petista Gilberto Carvalho afirmou nesta sexta-feira (2) que "nós não somos ladrões" e que "temos que levantar a cabeça e honrar nossa luta", em referência aos membros do partido.

Carvalho assumirá o comando do Conselho Nacional do Sesi e passou seu cargo para o também petista Miguel Rossetto, que era titular do Ministério do Desenvolvimento Agrário.

"Eu volto para casa depois de 12 anos para minha quitinete rural e pro meu apartamento, que fiquei devendo pro Banco do Brasil durante 19 anos. Eu digo isso com muito orgulho e desafio a acompanharem a evolução patrimonial de nossos ministros. Não vamos levar desaforo pra casa, nós temos dignidade", disse Carvalho.

O petista também ironizou quem se refere ao PT como uma quadrilha, em função da condenação no mensalão, que levou à prisão integrantes da cúpula do partido.

"A quem disse que perdeu a eleição para uma quadrilha, eu quero responder dizendo que essa é a nossa quadrilha. Para eles, pobre é quadrilha, é essa a quadrilha dos pobres que foi injustamente marginalizada e agora está sendo tratada com um mínimo de dignidade. Com muito orgulho eu quero dizer: eu pertenço a essa quadrilha e vamos continuar mudando o país com esse objetivo", afirmou o agora ex-ministro.

Carvalho também brincou dizendo que pediu desculpas à presidente Dilma Rousseff "porque sei que dei muita dor de cabeça a ela, particularmente com minhas falas à imprensa".

"Eu quero dizer a vocês que dessas bombas em nenhum momento eu me arrependi, aquilo que foi dito como 'sincericídio' foi uma convicção muito forte que um governo, para além de realizar, precisa interpretar a realidade, precisa ser educador", declarou.

O ex-ministro fez uma homenagem ao petista Luiz Gushiken (1950-2013), inocentado no mensalão, a quem chamou de "pessoa extremamente injustiçada", mas reconheceu que "há entre nós pessoas que tombaram, que caíram nos erros".

"Diferentemente de antes, cada um de nós companheiros que cometeu um erro foi punido, pagou um preço, doloroso para nós, mas pagou um preço. Isso eu espero que sirva de fato para um novo padrão republicano", afirmou.

O novo ministro, Miguel Rossetto, afirmou que irá ampliar o processo de "participação popular e de diálogo" na Secretaria-Geral da Presidência. "Nós vamos estimular permanentemente um diálogo forte, verdadeiro, respeitoso, um diálogo capaz de construir consensos", declarou.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave