EUA condenam prisão de dissidentes cubanos que fariam ato em Havana

Prisões acontecem duas semanas após o regime cubano e o governo americano retomarem relações diplomáticas, após mais de 50 anos de rompimento

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

A Casa Branca condenou na noite de terça-feira (30) a prisão de diversos dissidentes cubanos para impedir um ato convocado pela artista Tania Bruguera, 46, na praça da Revolução, uma das principais de Havana.

As prisões acontecem duas semanas após o regime cubano e o governo americano retomarem relações diplomáticas, após mais de 50 anos de rompimento. Pelo menos doze opositores ao regime foram presos ou colocados em prisão domiciliar.

"Nós condenamos fortemente a contínua perseguição e repetido uso de prisões arbitrárias por parte do governo cubano, em alguns casos com o uso de violência, para silenciar as críticas, impedir o direito de reunião pacífico e a liberdade de expressão e intimidar os cidadãos", informou em nota a diplomacia americana.

Washington ainda pediu o respeito às liberdades individuais e aos direitos humanos dos cubanos, do mesmo modo que afirmou que continuará a pressionar o ditador Raúl Castro para que dê mais liberdade de expressão aos cidadãos da ilha.

O ato havia sido convocado para as 15h desta terça (18h em Brasília), mas Bruguera e outros ativistas não compareceram. A intenção da artista era fazer um ato para que os cubanos pudessem se expressar livremente sobre o futuro do país.

Na madrugada desta quarta, a blogueira Yoani Sánchez indicou em sua conta no Twitter que várias pessoas ainda estão detidas. De acordo a blogueira, Tania estaria na unidade policial de Acosta, no município de Diez de Octubre.

O próprio marido de Yoani, Reinaldo Escobar, editor do jornal digital independente "14ymedio" estava entre os presos, mas já foi libertado pelas autoridades cubanas. Ele teria visto a artista vestindo um uniforme cinza, usado nas prisões do país.

Victor Ariez González, Claudio Fuentes, ambos do "14ymedio", além do ativista Eliecer Ávila, também foram detidos pelas autoridades, afirmou à Agência Efe por telefone Luz Escobar, filha de Reinaldo.

Deborah Bruguera, irmã de Tania, fez um chamado urgente à comunidade nacional e internacional através do Facebook para que o governo Raúl Castro siga informando o paradeiro e situação atual da artista.

O Conselho Nacional das Artes Plásticas de Cuba (CNAP) considerou como "inaceitável" a atividade convocada por Tania. Já a Associação de Artistas Plásticos da União de Escritores e Artistas de Cuba (UNEAC) chamou a ação de "oportunista" e de "provocação política".

A Praça da Revolução é um dos lugares mais emblemáticos de Havana. Nela ficam os edifícios mais importantes do governo da ilha, como o Palácio da Revolução, os ministérios do Interior e das Forças Armadas.

Leia tudo sobre: Estados UnidosCubaMundoPrisãoDissidentesHavanaAtoProtesto