Economia com restrição será pequena

iG Minas Gerais |

Brasília. Segundo o consultor da Câmara dos Deputados e ex-secretário de Políticas da Previdência Social, Leonardo Rolim, as medidas anunciadas pelo governo para restringir a concessão de benefícios sociais não trarão muita economia no caso do seguro-desemprego. “O seguro-desemprego tem dois principais problemas: a alta rotatividade e as fraudes. Seria melhor acabar com os 10% das multas por demissão sem justa causa e passar a taxar as empresas com alta rotatividade para direcionar esses recursos ao FAT. No abono salarial, a medida é injusta. Uma pessoa que trabalhou cinco meses no ano não vai ganhar nada, enquanto quem trabalhar seis meses vai receber um salário”, afirma Rolim.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave