Polícia prende quadrilha especializada em roubar relógios de luxo

Grupo tinha base em São Paulo e agia em áreas nobres de Belo Horizonte; assaltantes roubavam, principalmente, relógios das marcas Rolex e Hublot

iG Minas Gerais | Da redação |

A Polícia Civil desarticulou uma quadrilha especializada em roubar relógios de luxo que atuava em Belo Horizonte e em São Paulo. A operação, batizada como Horologius, foi desencadeada por uma equipe da 1ª Delegacia Regional Sul de Belo Horizonte em parceria com a Polícia Civil de São Paulo, já que os criminosos tinham como reduto as cidades de Sumaré e Taboão da Serra. Os assaltantes agiam em áreas nobres da capital mineira e roubavam, principalmente, relógios das marcas Rolex e Hublot.

Segundo o delegado Henrique Canedo de Castro Pinto, pelo menos cinco dos integrantes da quadrilha já estavam presos em território paulista, por envolvimento em outros crimes. A Polícia Civil de Minas Gerais esteve em Sumaré e Taboão da Serra para cumprir sete mandados de prisão. Lá, conseguiram encontrar dois homens que seriam os cabeças do grupo e que foram encaminhados ao Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) da Gameleira. No local, já estava preso o comparsa Manoel, que foi o primeiro a ser capturado pela Polícia Civil de Minas, ainda em Belo Horizonte.

Ainda segundo o delegado, duante o cumprimento dos mandados em São Paulo a equipe mineira constatou que os outros quatro integrantes da quadrilha já estavam detidos em decorrência de envolvimento em outros crimes cometidos naquele estado, permanecendo por lá. Durante a operação foram cumpridos também mandados de busca e apreensão que resultaram na recuperação de três relógios supostamente roubados. Alvos da quadrilha

Em BH, os suspeitos agiam principalmente na região Centro-Sul, para escolher suas vítimas entre pessoas de alto poder aquisitivo. Após localizarem um alvo que estivesse usando um relógio de luxo, um dos integrantes da quadrilha deslocava em uma motocicleta, sob a escolta de um carro ou de outra moto, e praticava o roubo. O relógio era rapidamente repassado para outro comparsa, dificultando a recuperação do produto pela vítima ou pela Polícia Militar, caso o bando fosse interceptado.

Dos roubos praticados pelo grupo, ganhou destaque na imprensa o episódio ocorrido na avenida Raja Gabaglia, quando o motorista de um Jeep branco chegou a perder o controle do veículo ao ser abordado e atropelou um dos integrantes da quadrilha. Agindo de forma cinematográfica, o assaltante foi resgatado por outro comparsa e conseguiu fugir. Em outro ataque do bando, na avenida Nossa Senhora do Carmo, a vítima estava em um veículo Volvo e, mesmo após entregar o relógio, foi baleada na perna.

Ostentação

Os membros do grupo tinham um padrão de vida elevado, circulando em carros de luxo e utilizando relógios também de marcas famosas. As vítimas relataram que durante os assaltos, o apoio aos motociclistas que anunciavam o roubo era feito por comparsas que estavam a bordo de veículos da marca Tiguan e Santa Fé. Porém, eles não usavam armas de grosso calibre em suas abordagens, para não chamar a atenção de outras pessoas, já que agiam sempre em locais públicos.

A Polícia Civil apurou ainda que, além dos sete presos, três outros assaltantes presos em flagrante pela Polícia Militar, no dia 15 de dezembro, também fazem parte da mesma quadrilha. Um último integrante do grupo já foi identificado, mas seu nome não será revelado para não atrapalhar a Polícia Civil a executar a sua prisão.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave