Enfermeira contaminada com Ebola chega a hospital de Londres

Enfermeira, que trabalhava para a ONG Save the Children, será tratada em uma unidade de isolamento cujo acesso está reservado a funcionários qualificados, em uma maca coberta por uma tenda que tem um sistema de ventilação autônomo

iG Minas Gerais | AFP |

A enfermeira chegou de Serra Leoa na noite de domingo pelo aeroporto de Heathrow, em Londres, num voo da companhia aérea British Airways
AFP
A enfermeira chegou de Serra Leoa na noite de domingo pelo aeroporto de Heathrow, em Londres, num voo da companhia aérea British Airways

A enfermeira que acaba de retornar de Serra Leoa e que foi diagnosticada com o vírus do Ebola em Glasgow (Escócia) chegou nesta terça-feira (30) ao hospital Royal Free de Londres, anunciou a instituição.

"O Royal Free de Londres NHS Foundation Trust pode confirmar que uma paciente é tratada por Ebola na unidade de isolamento de alto nível", afirmou este hospital em um comunicado publicado em seu site.

No mesmo estabelecimento foi atendido no fim deste ano o enfermeiro voluntário britânico William Pooley, que também havia sido contaminado pelo vírus do Ebola em Serra Leoa.

Esta enfermeira, que trabalhava para a ONG Save the Children, será tratada em uma unidade de isolamento cujo acesso está reservado a funcionários qualificados, em uma maca coberta por uma tenda que tem um sistema de ventilação autônomo.

No momento não existe nenhuma vacina ou tratamento para destruir este vírus, contraído através do contato direto com os fluidos corporais.

Ao mesmo tempo, outro paciente é submetido atualmente a um teste de diagnóstico do vírus no Royal Cornwall Hospital (sudoeste da Inglaterra), indicou nesta terça-feira à AFP um porta-voz da instituição, que se negou a fornecer mais detalhes.

Esta fonte limitou-se a indicar que a pessoa havia retornado recentemente da África ocidental e que não esteve em contato com a enfermeira diagnosticada em Glasgow na segunda-feira.

A enfermeira chegou de Serra Leoa na noite de domingo pelo aeroporto de Heathrow, em Londres, num voo da companhia aérea British Airways.

Desembarcada por volta das 23h30 local, ela deu entrada em um hospital de Glasgow na manhã de segunda-feira após sentir-se mal, e foi colocada em isolamento às 07h50, antes de ser transferida nesta terça-feira a Londres.

Segundo a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, o fato de o vírus ter sido diagnosticado "num estágio muito precoce da doença" significa que o risco de que outra pessoa tenha sido contaminada é "considerado muito baixo".

De acordo com as autoridades sanitárias, a paciente não manteve contato com ninguém desde seu retorno a Glasgow. Por precaução, todos os passageiros que estavam nos aviões em que a enfermeira viajou seriam contatados.

A Grã-Bretanha luta na linha de frente contra o Ebola, concentrando seus esforços em Serra Leoa, antiga colônia britânica.

Em outubro, Londres enviou 750 militares, um navio hospital e três helicópteros a Serra Leoa, onde também construiu vários centros médicos.

Nos três países da África ocidental mais afetados - Serra Leoa, Libéria e Guiné - a epidemia de febre hemorrágica provocou a morte de 7.842 pessoas de um total de 20.081 casos registrados, segundo o último balanço da Organização Mundial da Saúde publicado na segunda-feira.

Leia tudo sobre: VÍRUSEPIDEMIAENFERMEIRACONTAMINAÇÃOEBOLALONDRESREINO UNIDOTRATAMENTOISOLAMENTOMUNDO