Novo ministro defende 'movimentos suaves' na revisão da ditadura

Jaques Wagner (PT), atual governador da Bahia, foi escolhido pela presidente para assumir a pasta da Defesa

iG Minas Gerais | Folhapress |

André Dusek/AE
undefined

O governador da Bahia e futuro ministro da Defesa, Jaques Wagner (PT), defendeu que a revisão histórica da ditadura militar no Brasil deve ser feita em "movimentos suaves" e que "qualquer precipitação não contribui" para o processo.

A declaração foi dada nesta segunda-feira (29), em Salvador, durante a solenidade de entrega do relatório parcial da Comissão Estadual da Verdade da Bahia. No documento, os sete integrantes da comissão defendem a revisão da Lei da Anistia e a punição de pessoas envolvidas em crimes contra os direitos humanos, como a tortura.

O novo ministro, que assume o cargo na próxima quinta-feira (1), evitou se posicionar sobre a revisão da lei, afirmando que esta é uma questão que não está no âmbito do Ministério da Defesa. Numa metáfora, o governador afirmou que a "água suja" da ditadura pode ser transformada de duas maneiras: jogando a água fora ou ir colocando água limpa aos poucos até que a água suja vá clareando.

"Todo mundo que me conhece sabe que eu sou pela segunda forma", disse o governador da Bahia, reconhecendo ser esta uma maneira mais "sofrida" para os parentes de vítimas da ditadura. Segundo Wagner, a presidente Dilma Rousseff (PT) não tem "nenhum medo e nenhuma dúvida do que deve ser feito", mas que é preciso ter "cuidado e parcimônia" na condução deste processo.

Em tom conciliador, o governador baiano ainda saiu em defesa das Forças Armadas e alegou não ser positivo responsabilizar a instituição pelas violações aos direitos humanos: "Não dá para generalizar, é preciso falar em pessoas".

E defende que os líderes civis da época que apoiaram e se beneficiaram da ditadura também sejam lembrados.

"É sonegador da verdade a gente não endereçar críticas duras a um elite politica, empresarial e jornalística que foi braço consolidador da ditadura e que se escondia atrás de quem tinha fuzil [os militares]", afirmou.

Projetos

O novo ministro Jaques Wagner afirmou que pretende dar continuidade ao trabalho do atual ministro Celso Amorim e focar a atuação nas principais áreas de trabalho do ministério: cibernética, aeroespacial e nuclear.

"Considero um ministério estratégico. Infelizmente, muita gente, até mesmo alguns aliados, não tem a dimensão exata do que dignifica a Defesa", afirmou Wagner, elogiando o trabalho do atual ministro.

Mesmo classificando o ministério como de "primeira linha", admitiu que a pasta dá pouca margem na definição de políticas públicas e que a atuação do ministro é lastreada em documentos que orientam a ação da defesa nacional.

Carioca, Jaques Wagner estudou em colégio militar e foi presidente do diretório acadêmico da faculdade de Engenharia Civil da PUC (Pontifícia Universidade Católica) do Rio de Janeiro. Perseguido pela ditadura, abandonou o curso e mudou-se para a Bahia, onde começou vida nova como operário do Polo Industrial de Camaçari e fez carreira política como dirigente sindical.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave