Deficit público dobra e atinge quase 6% do PIB, maior nível desde 2003

Esse percentual equivale a R$ 297,4 bilhões; desse valor, 288,2 bilhões se referem aos juros da dívida

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

O deficit nas contas do setor público dobrou nos últimos 12 meses e chegou a 5,8% do PIB (Produto Interno Bruto) em novembro, segundo o Banco Central.

Com isso, o resultado de União, Estados e municípios se aproximou do pico de 6% alcançado entre julho e setembro de 2003.

Esse percentual equivale a R$ 297,4 bilhões. Desse valor, 288,2 bilhões se referem aos juros da dívida. O restante, à diferença entre receitas e despesas não financeiras (resultado primário), que está em R$ 9,2 bilhões ou 0,18% do PIB em 12 meses.

Em novembro, o setor público teve deficit primário de R$ 8 bilhões, maior resultado negativo para este mês do ano já registrado nas estatísticas do BC, que têm início em dezembro de 2001.

No ano, o resultado está negativo em R$ 19,6 bilhões. No mesmo período de 2013, era positivo em R$ 80,9 bilhões.

A piora nas contas públicas tem levado ao aumento das dívidas desses entes da Federação. A dívida líquida (que desconta o valor das reservas em dólar) subiu de 33,6% em dezembro de 2013 para 36,2% do PIB em novembro de 2014. A dívida bruta passou, no mesmo período, de 56,7% para 63,0% do PIB.

O BC informou ainda que, pela primeira vez neste ano, acumula prejuízo com as operações de swap cambial (contratos que oferecem proteção contra a alta do dólar). Como o real tem se desvalorizado nos últimos meses, o governo tem arcado com o custo de pagar essa variação aos investidores.

A instituição chegou a lucrar mais de R$ 20 bilhões até agosto, mas o resultado foi revertido para uma perda de R$ 284 milhões até novembro após fortes baixas em setembro e no mês passado.

Leia tudo sobre: BANCO CENTRALECONOMIADEFICIT PUBLICOBRASILPOLÍTICAPIOR RESULTADOPIB