NYT exorta Dilma a apoiar dissidentes cubanos

No artigo intitulado "Mudança de dinâmica para os dissidentes cubanos", o jornal americano afirma que o movimento de oposição cubana precisa de todo apoio internacional neste momento

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Carta
undefined

Em editorial publicado neste domingo (28), o jornal americano The New York Times exorta a presidente Dilma Rousseff a defender os valores democráticos em Cuba e demonstrar apoio aos dissidentes na ilha.

No artigo intitulado "Mudança de dinâmica para os dissidentes cubanos", o jornal americano, um dos maiores defensores do restabelecimento das relações diplomáticas entre Estados Unidos e Cuba, afirma que o movimento de oposição cubana precisa de todo apoio internacional neste momento.

"Será que o movimento de oposição em Cuba será fortalecido com a aproximação do país com os EUA ou vai sofrer mais repressão? Isso depende em grande parte do apoio da comunidade internacional. À medida que Cuba se torna mais acessível para os americanos, o governo em Havana, sentindo-se vulnerável frente ao aumento de investimentos, de viagens e menos restrições sobre o fluxo de informação, pode até intensificar seus esforços para calar os dissidentes."

Segundo o diário americano, os governos latino-americanos vêm mimando a ditadura castrista há décadas, porque confrontá-la significaria apoiar a política radical de Washington contra a ilha. Agora que o presidente Barack Obama mudou essa política, os países democráticos deveriam apoiar as reivindicações dos ativistas cubanos.

"Apesar de sua tradicional relutância em se envolver nos problemas internos de outros países, o presidente do México, Enrique Peña Nieto, e a presidente do Brasil, Dilma Rousseff, deveriam defender de forma inequívoca os valores democráticos abraçados pela maior parte dos países das Américas", diz o NYT.

"A sra. Rousseff teria ainda mais peso ao fazer isso, por ser uma ex-prisioneira política, esquerdista e líder de um dos principais parceiros comerciais de Cuba".

O jornal defende que os dissidentes sejam autorizados a participar da Cúpula das Américas, que vai se realizar no Panamá, em abril. "Se os dissidentes participarem, a sra. Rousseff pode muito bem estar falando com os futuros líderes de uma Cuba democrática."

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave