Conquista de novos mercados

Empresas de streaming, que permitem uma outra forma de consumir música, avançam para países emergentes

iG Minas Gerais |

Crítica. A cantora Taylor Swift é uma das críticas mais ferrenhas dos modelos de streaming
Jordan Strauss
Crítica. A cantora Taylor Swift é uma das críticas mais ferrenhas dos modelos de streaming

Nova York, EUA. O panorama do pop sofreu uma transformação radical graças ao streaming, uma forma de consumir música online oferecida por empresas como o Spotify, que agora tenta conquistar mercados de países emergentes.

O Spotify e seus rivais dominaram as manchetes musicais em 2014, ano em que as empresas atraíram muitos novos clientes, mas também críticas, principalmente da estrela pop Taylor Swift, rainha da parada musical nos Estados Unidos e em vários países.

Swift e outros críticos acusam as empresas que oferecem o serviço – que permite ao usuário acessar sem limites e de maneira instantânea um catálogo gigantesco de música a partir do computador ou do telefone celular – de recompensar muito mal os artistas e acelerar a morte do formato álbum.

A entrada dos países emergentes, onde as vendas de discos nunca representaram lucros expressivos para as gravadoras, pode mudar o debate. O streaming poderia seduzir a crescente classe média desses países, que nunca teve a tradição de adquirir discos.

Assim, a Warner Music chegou a um acordo no mês passado com a empresa chinesa Tencent, que inclui o streaming, o primeiro pacto do estilo assinado por uma das três grandes gravadoras do mundo no país de maior população do planeta.

Uma empresa que percebeu as rápidas mudanças nos últimos meses foi a Vuclip, fundada em 2008 e com sede na Califórnia, que lidera o setor de vídeos nos mercados emergentes. “É o ‘extremo Oeste’ lá fora”, disse Nickhil Jakatdar, diretor geral da Vuclip. “Há um ano e meio, não havia concorrentes. Agora, acordo todos os dias e vejo um novo competidor”, disse à AFP.

A principal razão para o boom é a possibilidade de acesso à internet nos smartphones de maneira mais rápida e acessível, o que permite a um consumidor de recursos limitados desfrutar do conteúdo no dispositivo móvel.

A empresa, que não está presente na China, registrou um crescimento significativo na Índia, Indonésia, Malásia e Tailândia, assim como no Egito, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Gostos particulares. Um dos desafios nos mercados emergentes são os gostos particulares de entretenimento. “O conteúdo que os consumidores buscam é muito regional por natureza. Uma pessoa na Índia quer conteúdo indiano”, explica Jakatdar.

Em contraste com a Ásia, os países da América Latina compartilham determinadas opiniões. Assim, empresas como Spotify, Deezer e Rhapsody estabeleceram alianças comerciais. A arrecadação com música digital na América Latina aumentou 124% de 2010 a 2013, muito acima da média mundial, segundo a Federação Internacional da Indústria Fonográfica.

O Spotify está presente em 58 países. Na Ásia, foram criadas muitas empresas locais. O Ganaa.com, da Índia, permite aos usuários o acesso a milhares de listas de reprodução, ouvir estações de rádio ou aproveitar as canções em vários rankings.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave