Os melhores do

Recordar é viver, por isso o Pandora selecionou alguns dos principais momentos fashion de 2014

iG Minas Gerais | Deborah Couto |

A cantora Rihanna assinou contrato para colaborar com as novas coleções de running e lifestyle a partir de 2015
PUMA/DIVULGAÇÃO
A cantora Rihanna assinou contrato para colaborar com as novas coleções de running e lifestyle a partir de 2015

Há quem tenha odiado 2014. Não foi, realmente, um ano comum. No Brasil, houve Copa e as eleições mais difíceis da história de nossa democracia. Na moda não foi lá tão revolucionário, mas um pouco mais democrático e, digamos, inclusivo. Uma das principais tendências, por exemplo, colocou até quem não está tão ligado assim no último grito super em alta. Aqui a gente elenca o que, para nós, teve de mais relevante. 

Parcerias mil

Vem da Puma a última notícia fashion bombástica do ano. A marca esportiva acaba de contratar Rihanna como diretora criativa. Novidade? Mais ou menos. Só esse ano, a Adidas lançou coleções em parceria com o rapper Pharrell e com a cantora Rita Ora, ambos sucessos de venda. É que os musos pop estão tão acostumados a andar por aí vestindo as grifes que nada mais natural que eles mesmos desenhem peças que o mundo inteiro, que já copiava, agora vai comprar ainda mais. Por aqui a Farm travou parceria também com a Adidas e lançou uma coleção pra lá de estampada e alegre, com direito a flores tropicais e araras, a nossa cara. Nosso setor mais popular também se beneficiou, e de grifes de luxo. A Riachuelo lançou uma coleção assinada por ninguém menos que a musa da peruíce italiana, Donatella Versace. No caminho contrário, a C&A repetiu a dobradinha com o ícone minimal Stella McCartney, sucesso que só traz benefícios para o público e para ambas as marcas.  

Nohda Em 2014 a estilista Patrícia Bonaldi cresceu e apareceu. Criou uma holding, a Nohda, e investiu em novos talentos, por sinal, seus conterrâneos. Agora fazem parte de seu negócio a Apartamento 03, de Luiz Cláudio, e o jovem estilista Lucas Magalhães, além de suas duas próprias grifes, Patrícia Bonaldi e PatBo. A empresa tem endereço em São Paulo, um showroom que reúne coleções das quatro marcas.  Tênis Se teve um calçado predominante neste ano foi o confortável tênis. Ele deu as caras até nos desfiles de alta-costura de duas das principais grifes do mundo, Chanel e Dior. Quem iria contestar? O povo do mundinho adorou e adotou de bate-pronto. Nos corredores das semanas de moda estava todo mundo usado, inclusive com vestido de festa e saia-lápis. Ninguém mais dá conta da ditadura do salto-agulha. Agora, meu bem, só aguenta quem quer!

 

 

Mineiros no SPFW   Há mais de dez anos o line-up de São Paulo não tinha tantos nomes mineiros. Desta vez acontecerm quatro estreias: Gig, Apartamento 03, PatBo e Llas. Victor Dzenk saiu do Fashion Rio e migrou para a passarela paulistana, todos eles somando a graça e a expertise ao já consagrado Ronaldo Fraga, que mais uma vez deu um show de performance. John Galliano, o retorno Depois de ter sido demitido da Maison Dior, em 2011, John Galliano volta a trabalhar como diretor criativo. Agora, na francesa Maison Martin Margiela, famosa por suas criações de vanguarda. Margiela, o próprio, é conhecido por não aparecer, jamais, em público. Galliano fará, a partir de 2015, todas as coleções da casa, tanto de alta-costura, como prêt-à-porter.   

 

 

Beleza natural Houve quem amou e quem torceu o nariz, mas de fato a maquiagem “nada”, que serve para fingir que a pessoa nasceu linda, dominou as passarelas e editoriais de moda. Se ela cola na vida real, só mesmo pra quem já é descolada. De resto, o povo gosta mesmo é de batom vermelho. Mas o mundo fashion anda gostando, aliás, não anda gostando de batom. Nem de máscara, blush, ou qualquer outra coisa. Só de pele perfeita, e nada mais.  Moschino Depois da contratação de Jeremy Scott, a grife italiana anda emplacando um hit atrás do outro. Em 2014 teve a coleção de inverno, toda inspirada no Ronald McDonald, e a de verão, a cara da boneca Barbie. As duas foram sucesso instantâneo, da capinha de celular ao look completo, com um belo empurrão da equipe de marketing, claro. Qual será a próxima peripécia de Scott? 

 

 

Normcore Se teve uma palavra que foi repetida na moda neste ano foi “normcore”, tendência que fez o hipster ficar sooo last season. A moda de se vestir da forma mais simples possível, como quem não segue moda, ocupou a maior parte dos editoriais em revistas e passarelas. Dizem (mais precisamente Isham Sardouk, do site WGSN) que sua morte já foi decretada, mas, devido ao sucesso de público, que é quase 99% da população, a gente duvida muito. 

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave