Limpeza do entorno não é paga

iG Minas Gerais |



Moradores flagraram ponto de descarte (foto) e enviaram à prefeitura
Divulgação
Moradores flagraram ponto de descarte (foto) e enviaram à prefeitura

Outro problema ocorre no entorno do Mineirão após os jogos. Os servidores da Regional Pampulha fazem a limpeza da área, há geração de um boleto pelo serviço prestado, mas a taxa não é paga pela Minas Arena, que recebe essa conta.

O volume de lixo produzido, dependendo da partida de futebol, varia de 1,2 tonelada a 6 toneladas, e o valor cobrado gira em torno de R$ 5.000 a R$ 20 mil. Neste ano, 38 jogos de times mineiros foram realizados no estádio, o que significa que a conta pode chegar a R$ 760 mil. O cálculo do serviço é feito pela regional e encaminhado para a Diretoria Jurídica da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU).

Conforme a legislação municipal, a limpeza no entorno do Mineirão deve ser feita pelo promotor do evento, mas a responsabilidade virou um “jogo de empurra”. A Minas Arena informou que quando foi notificada a pagar a taxa no início deste ano, alegou que não é ela quem promove os jogos. A Federação Mineira de Futebol (FMF) afirma que nunca pagou nenhuma taxa do tipo e o Cruzeiro (que manda os jogos no estádio) seria o responsável. Já o diretor de marketing do time, Marconi Barbosa, diz que desconhece essa cobrança.

“A Minas Arena informa que o assunto já está sendo tratado administrativamente com a SLU”, diz a nota. (JS)

 

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave