Belo Horizonte tem cerca de 180 depósitos de entulhos irregulares

Superintendência de Limpeza Urbana implementa fiscalização regular de locais públicos, para coibir depósitos irregulares de descarte de lixo

iG Minas Gerais | FELIPE BUENO |

Chegada a estação das chuvas a preocupação com o lixo deve ser redobrada. O lixo jogada na rua pode entupir as bocas de lobo e, com o excesso de chuva, podem transbordar, provocando enchentes. Uma estimativa da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) aponta que exista 180 pontos críticos de descarte de lixo de forma irregular em Belo Horizonte.

De acordo com o último levantamento feito pela autarquia, feito em 2013, foram recolhidos cerca de 90 mil toneladas de lixos em depósitos irregulares, os bota-foras, naquele ano. Em média, são recolhidos por mês 9 mil toneladas de entulho descartado em locais públicos.

Para intensificar a limpeza da cidade, foi implementado em novembro desse ano uma ação, que visa fiscalizar o descarte de entulho. Para isso, o órgão conta com nove carros e 18 fiscais exclusivamente dedicado a rastrear depósitos clandestinos.

Hoje, a SLU possui 32 Unidades de Recebimento de Pequenos Volumes (URPV), que recebem materiais em geral, como entulho de construção, móveis velhos, resíduos de poda, pneus, entre outros. O número de unidades de coleta deve saltará para 40. O material é separado e é destinado, depois de uma triagem, para o aterro sanitário ou Estações de Reciclagem de Entulho.

Moradores podem ser notificados da irregularidade, sendo responsáveis pela limpeza do local onde foi feito o depósito de lixo. No caso dos grandes depósitos de entulhos clandestinos, os envolvidos só podem ser notificados caso haja um flagrante.

As URPVs são uma solução para o descarte correto do lixo, pois, além de ser recolhido, ele terá um destino certo, e poderá, de alguma forma, ser reaproveitado, ou então, irá para um aterro. Saiba onde encontrar uma Unidade de Recebimento de Pequenos Volumes (URPVs)!  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave