Rússia compreende a revolta da Coreia do Norte com 'A Entrevista'

"A ideia do filme é tão agressiva e escandalosa que a reação norte-coreana é totalmente compreensível", declarou o porta-voz da chancelaria russa, Alexander Lukachevich

iG Minas Gerais | AFP |

James Franco e Seth Rogen interpretam dois jornalistas contratados para matar Kim Jong-un
Divulgação
James Franco e Seth Rogen interpretam dois jornalistas contratados para matar Kim Jong-un

A Rússia afirmou compreender a revolta da Coreia do Norte contra o filme americano "A Entrevista" e classificou a comédia de agressiva e escandalosa ao mostrar um complô da CIA para matar o líder norte-coreano Kim Jong-Un.

"A ideia do filme é tão agressiva e escandalosa que a reação norte-coreana é totalmente compreensível", declarou o porta-voz da chancelaria russa, Alexander Lukachevich.

Pyongyang ameaçou com represálias caso o filme fosse lançado, como de fato foi em vários cinemas americanos no dia 25 de dezembro.

Washington acusou a Coreia do Norte de estar por trás de um ciberataque no final de novembro contra a Sony Pictures, produtora do filme.

Pyongyang, por sua vez, sofreu esta semana a interrupção de várias horas em sua internet. Os Estados Unidos não confirmaram ou desmentiram sua responsabilidade neste incidente.

"A Rússia está preocupada com uma nova escalada de tensões entre os Estados Unidos e a Coreia Norte" indicou Lukachevich.

"As ameaças americanas de vingança e os pedidos a outros países para condenar a Coreia do Norte nos parecem contraproducentes e perigosos e não fazem mais que elevar as tensões", concluiu.  

Leia tudo sobre: mundocoréia do norteRússiaA EntrevistaMundofilme polêmicoexibiçãoataquehackersonyestados unidos