Hacker que roubou dados de 4 mil cartões é preso em Juiz de Fora

Suspeito conseguia clonar até mesmo cartões de chip, tecnologia que sempre foi considerada a mais segura

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Cartões já prontos e vários outros ainda por fazer foram apreendidos na casa do suspeito
Polícia Civil/Divulgação
Cartões já prontos e vários outros ainda por fazer foram apreendidos na casa do suspeito

Já está no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) de Juiz de Fora, na Zona da Mata, o hacker de 24 anos que foi preso em uma operação da Polícia Civil (PC) nesta segunda-feira (22). O jovem teria roubado dados de cerca de 4 mil cartões de crédito e conseguia falsificar até mesmo os que tinham a tecnologia de chips, considerada a mais segura até há pouco mais de um mês, quando uma quadrilha que conseguia fraudar este tipo de cartões foi presa no Rio de Janeiro.

O suspeito era investigado há cerca de 8 meses pela 1ª Delegacia Distrital da cidade. "Recebemos algumas informações das nossas fontes e passamos a investigar ele e o irmão, de 32 anos. Soubemos de gastos exorbitantes em casas noturnas, valores muito superiores aos que eles tinham capacidade de pagar, principalmente o detido, que não tem emprego", explicou o delegado Eurico da Cunha, responsável pela investigação.

Nesta segunda a corporação exerceu o mandado de busca e apreensão conseguido na Justiça na casa do preso, no bairro Alto dos Passos, região considerada de classe alta. Lá foram apreendidos três computadores usados na falsificação, uma impressora onde ele fazia os cartões, 40 cartões de créditos diferentes em seu nome e vários outros em branco. A quantia de R$ 4 mil também foi encontrada no local.

Crime de outro nível

"Também encontramos um pen drive onde estavam todas as informações de mais de 4 mil contas hackeadas por ele, com senhas e outras informações", lembrou o policial. A polícia acredita que o suspeito já aplicava os golpes há mais de 1 ano pelo número de cartões já clonados, apesar de não saber precisar quando exatamente eles começaram.

"O que podemos dizer é que é uma falsificação de outro nível. Recentemente teve uma matéria do Fantástico falando sobre a primeira prisão no país em que clonaram cartões com chip. Não é uma coisa fácil, é um crime bastante complexo", afirmou Cunha.

Na casa do irmão do hacker, que também chegou a ser detido, os policiais encontraram três veículos de luxo, um Mercedes Benz, uma BMW X6 e um Hyundai Santa Fé. Porém, após verificarem as informações dos carros e nada de irregular ser constatado, eles foram devolvidos. "Não conseguimos provar a ligação do irmão dele nos crimes, mas a investigação continua". 

Leia tudo sobre: HACKERJUIZ DE FORAPRESOCARTÕESCHIPFANTÁSTICOCLONAGEMCÓDIFICAÇÃODETIDOPOLÍCIA CIVIL