Sala de relíquias e histórias

Depois dos novos títulos dos últimos anos, a sala de troféus recebe visitas diariamente

iG Minas Gerais | Fernando almeida |

Lincon Zarbietti / O Tempo
undefined

Passado de glória e futuro ainda mais promissor. Diariamente, centenas de torcedores adentram a sede do Atlético, em Lourdes, em busca de uma foto, ou de um simples olhar, com as principais taças conquistadas pelo clube nos últimos dois anos – Copa do Brasil (2014) e Libertadores (2013). Por detrás de um vidro, elas estão em cima de um pedestal em destaque ao lado do troféu da Recopa Sul-Americana e da dupla fisicamente menor que representa o bicampeonato da Copa Conmebol (1992 e 1997).

Após sacar seus flashes diante das taças mais visadas, o atleticano abre sua visão para a ampla Sala de Troféus Vilibaldo Alves – homenagem ao histórico radialista – e se depara com um emaranhado de taças dos mais diversos tamanhos e formatos. Mesmo os mais fanáticos torcedores ficam perdidos diante dos cerca de 900 troféus espalhados pela vitrine.

Na visita feita por ao local, o guia foi o gerente de multimídia e historiador atleticano Emmerson Maurilio, que contou algumas das curiosidades e glórias eternizadas por esses objetos.O TEMPO

“Aqui, na sede do Atlético ficam, cerca de um terço dos troféus. Tem mais uma sala de troféus na categoria de base, na Cidade do Galo, e um depósito onde guardamos as taças “menos importantes”. No total gira em torno de 3.300 troféus dos mais variados tipos”, comenta Maurilio.

Brasil. Fora da visão dos torcedores, em um corredor ao lado da sala de troféus, uma imponente taça tendo como destaque a estátua de uma mulher com os braços erguidos e rodeada por espelhos chama a atenção. Ela foi conquistada pelo Atlético em 1969 com a vitória por 2 a 1 contra a seleção brasileira em um amistoso festivo após a equipe canarinho de Tostão e Pelé garantir a classificação para a Copa do Mundo de 1970 – vencida pelo Brasil.

Primeiro. O Atlético possui o troféu de futebol profissional mais antigo de Minas Gerais. A Taça Bueno Brandão, de 1914, acabou sendo o embrião da atual Federação Mineira de Futebol (FMF) pelo sucesso da competição.

Estrangeiro. O primeiro jogo contra um time não brasileiro em Minas foi disputada em 1929 no Estádio de Lourdes. O duelo terminou com triunfo do Galo por 3 a 1 contra o Vitória de Setúbal, de Portugal, e está imortalizado em uma taça disposta na sala de troféus ao lado dos dois objetos que colocam o Galo como o Campeão do Gelo.

Berrante. A última das várias curiosidades contadas por Emmerson Maurilio foi um berrante na cor prata, que se encontra ao lado de troféus internacionais. O instrumento foi presente do Boca Juniors durante a Copa Libertadores de 1978.

Outros esportes Tudo um pouco. Longe de ter o investimento do futebol, os chamados esportes especializados também têm o seu espaço na sala de troféus na sede de Lourdes. As taças estão na extremidade oposta à das conquistas mais recentes e tidas como mais importantes do clube, como a Libertadores e a Copa do Brasil. Mundial. Chama a atenção dos visitantes o troféu que representa o título mundial conquistado pelo futsal, em 1998. O time tinha nomes lendários do esporte como Manoel Tobias, eleito melhor jogador da competição.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave