Rival é eliminado e Gabriel Medina vence título do Mundial de surfe

Mick Fanning não conseguiu avançar às quartas de final do torneio, o que garantiu o título antecipado do surfista brasileiro

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Com boa performance neste ano, Medina pode chegar ao inédito título da WTC para o Brasil
Reprodução Facebook
Com boa performance neste ano, Medina pode chegar ao inédito título da WTC para o Brasil

A espera foi longa. Demorou 38 anos. Mas o Brasil tem, finalmente, um campeão mundial de surfe. Com a eliminação de Mick Fanning na repescagem no quinto round, Gabriel Medina garantiu o título do Mundial do esporte, nesta sexta-feira (19), em Pipeline, no Havaí. O brasileiro termina a temporada na liderança do ranking com. Até então, o melhor resultado do país era o terceiro lugar de Victor Ribas, em 1999. O paulista ficou à frente de surfistas já consagrados, como o australiano Mick Fanning, 33, tricampeão mundial, e o americano Kelly Slater, 42, que ostenta 11 títulos. Coincidência ou não, Medina, grande revelação dos últimos tempos no surfe, trilha um caminho parecido ao de Slater, considerado uma lenda viva na modalidade. Assim como o americano em 1992, o paulista ganha o seu primeiro título mundial com apenas 20 anos. Nenhum outro surfista na história conseguiu este feito. E bem como Slater, Medina é campeão em sua quarta temporada na elite. Até então, tinha como melhor resultado o sétimo lugar em 2012. O ano de Medina é ainda mais impressionante do que o de Slater em 1992, quando o americano foi campeão com duas vitórias ao longo da temporada. Em 2014, o brasileiro fechou a sua participação no Mundial com três triunfos (Austrália, Fiji e Taiti). Tudo aconteceu muito rápido na vida do paulista. Dono de uma habilidade incomum, Medina, sempre muito religioso, entrou cedo no circuito. Com apenas 14 anos, já participava da divisão de acesso. Com 17, já comemorava uma vitória no Mundial. Com resultados tão expressivos, ganhou o respeito de Slater, que definiu o sucesso do brasileiro como "assustador", e de Fanning, que afirmou não ver "nada além de bom" para o futuro do paulista. Com o título, conquistou agora o respeito do mundo todo. BRASIL O triunfo de Medina coloca o Brasil de vez entre os melhores do surfe. O país sempre esteve presente nas competições. Na elite desta temporada, por exemplo, teve mais competidores do que a potência Estados Unidos (sete contra cinco). Faltava, porém, um título. Com a vitória de Medina, o Brasil quebra a hegemonia de australianos e americanos, que dividiram os títulos das últimas nove temporadas (cinco para os Estados Unidos e quatro para a Austrália).

Leia tudo sobre: gabriel medinafanningtitulocampeaomundial de surfehavai