BC encerra liquidação do Bamerindus, que vira Banco Sistema

A instituição foi uma das que enfrentaram problemas financeiros após a estabilização da moeda alcançada após o Plano Real

iG Minas Gerais | Folhapress |

Foi encerrada nesta sexta-feira (19) a liquidação extrajudicial do Banco Bamerindus, que estava com suas atividades suspensas desde a intervenção ocorrida em março de 1998. De acordo com o Banco Central, o fim do regime de intervenção foi possível devido à aquisição da instituição, que agora passa a se chamar Banco Sistema S.A..

Também teve fim o processo de liquidação de duas outras empresas do grupo financeiro, a Bamerindus S.A. Participações Empreendimentos, Bastec Tecnologia e Serviços e a Fundação Bamerindus de Assistência Social. Em maio deste ano, o FGC (Fundo Garantidor de Créditos) colocou R$ 3,5 bilhões no antigo Bamerindus, o que permitiu a venda do que sobrou da instituição ao BTG Pactual, por R$ 418 milhões. A transação já vinha sendo preparada desde 2013.

O Pactual, por sua vez, já era dono do Banco Sistema desde 1997. Na época, essa instituição apresentava problemas financeiros.

A troca do nome é necessária, pois a marca Bamerindus, que foi vendida ao HSBC no fim dos anos 90, junto com os principais ativos do banco -agências, carteiras de empréstimos e imóveis- não entrou na negociação com o Pactual. Em julho deste ano, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou a compra do Bamerindus pelo Pactual.

Um dos maiores bancos do país até o final dos anos 90, o Bamerindus tinha mais de 3 milhões de clientes e 1.200 agências e pertencia ao empresário José Eduardo Andrade Vieira, que foi senador, ministro e um dos principais doadores de campanha do então presidente Fernando Henrique Cardoso.

A instituição foi uma das que enfrentaram problemas financeiros após a estabilização da moeda alcançada após o Plano Real.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave