Em busca da paz interior

Baixe gratuitamente a revista digital para iPads da Sempre Editora; nesta edição, veja histórias de mães de LGBTs que passaram a militar pelos direitos dos filhos e conheça um roteiro para passar o réveillon em grande estilo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

O Tempo Livre/Reprodução
undefined

A quinquagésima primeira edição de O TEMPO LIVRE, a revista virtual da Sempre Editora para iPads, com conteúdo exclusivos, já está disponível! Veja os assuntos abordados nesse número!

Em meio a eleições agressivas e uma Copa do Mundo com resultados frustrantes, houve quem aproveitou “dois mil e catarse” para fazer as pazes consigo mesmo e com a sua espiritualidade. Leia um trecho da reportagem:

“O universo se transforma quando a pessoa encontra algo que traga o foco de volta para ela. A felicidade só pode ser acessada olhando para dentro. Quem olha para fora se ilude; quem olha para dentro se descobre”. A frase da professora de ioga e reikiana Ailla Pacheco, de 25 anos, sintetiza bem o que significou 2014 para muitos brasileiros. Em meio a tragédias aéreas, eleições agressivas e uma Copa do Mundo com resultados frustrantes, houve quem aproveitou “dois mil e catarse” para buscar a paz interior e fazer as pazes consigo mesmo e com a sua espiritualidade.

Curtiu? Então leia a matéria na íntegra na publicação digital gratuita disponível na App Store. Conheça abaixo outros assuntos abordados na edição #51

Clique aqui para baixar gratuitamente a revista O TEMPO LIVRE

TENDÊNCIA

Todo gay, lésbica, bissexual, travesti e transexual tem mãe. O preconceito, por vezes, faz com que as pessoas pensem que é normal uma família rejeitar um indivíduo pela sua orientação sexual ou identidade de gênero diferente daquela esperada, a culturalmente aceita, que se tornou naturalizada. Normal, na verdade, é aceitar e conviver com as diferenças. Várias mães têm feito o seu papel para desconstruir esse modelo de sociedade heteronormativa. Assim como os filhos e filhas, elas também saem do armário e passam a lutar pelos direitos dos LGBTs.

MEU GUIA

O ano novo chegou. Hora de repensar a vida, de buscar novas possiblidades, de encarar compromissos e desafios inéditos. Em meio às novidades que a entrada do ano reserva, paira no ar a dúvida sobre qual é o melhor local para curtir o réveillon. Porque não entrar num novo ano em outras latitudes, em lugares desconhecidos, com festas e costumes diferentes dos nossos? Para você que já está enjoado dos fogos de Copacabana, selecionamos cinco diferentes lugares do mundo para curtir a virada do ano. Fique ligado!

GASTRÔ

Na infância, um suco de beterraba ou de couve, oferecido pela mãe, geralmente era recusado por nós, que ainda fazíamos cara feia. No entanto, atualmente eles estão cada vez mais caindo no gosto de quem está em busca de uma vida mais saudável e, assim, se tornando tão famosos que já receberam até nome sofisticado: detox. O que as nossas avós diziam sobre esses líquidos fazerem bem para a saúde é comprovado por especialistas. Hoje em dia eles são conhecidos como heróis do emagrecimento e da limpeza do organismo, já que são ótimos desintoxicantes e contribuem na dieta balanceada. Os sucos detox são resultado de uma combinação de alimentos, como frutas, verduras e legumes.

PERFIL

Da cena mineira do funk, o garoto de Palmital, em Santa Luzia, que sempre gostou de fazer apresentações musicais, e que hoje mora no Alto da Vera Cruz, região leste de Belo Horizonte, Daniel Teixeira Aparecida, o MC Dodô, de 31 anos, vem se impondo como artista da periferia e que fala sobre a vida cotidiana do morro. As letras de suas músicas trazem mensagens de esperança. Há uma preocupação do músico em fazer um bom trabalho: um funk que traga poesia, fé e positividade, para embalar os seus shows. Outro aspecto a ser ressaltado é que suas músicas recorrentemente tratam de temas sociais; é o funk consciente, que traz uma reflexão acerca da realidade da favela.

*Conteúdo semanal exclusivo para iPads

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave