Fícus vira ‘condomínio’ de ratos na Francisco Sales

Árvore em frente ao supermercado Extra está infestada de roedores

iG Minas Gerais | Joana Suarez |

Região Leste. 
Problema ocorre em árvore da avenida Francisco Sales, no bairro Santa Efigênia
RICARDO MALLACO
Região Leste. Problema ocorre em árvore da avenida Francisco Sales, no bairro Santa Efigênia

Pessoas pulando e mulheres gritando chamam a atenção em um ponto da avenida Francisco Sales, na altura do número 900, no bairro Santa Efigênia, na região Leste da Belo Horizonte. O motivo: dezenas de ratos nas raízes de uma árvore, um fícus, em plena luz do dia. Os roedores já estavam na região há tempos, segundo frequentadores e comerciantes do local, mas a impressão que eles têm é que nas últimas semanas os animais reproduziram e fizeram da árvore um “condomínio”.

Após ser acionada por um homem que denunciou a situação, uma equipe de Agentes de Controle de Endemias da prefeitura aplicou um veneno no local nesta quarta. Nesta quinta era possível ver um pó azul no tronco. Segundo o dono da banca de revistas ao lado da árvore, Gilcezar de Almeida, 57, o número de bichos diminuiu, mas eles ainda estão lá. A equipe de Zoonozes da Regional Centro-Sul informou, por assessoria de imprensa, que o local será monitorado.

A denúncia foi feita pelo bacharel em direito Sandoval de Souza Pinto Filho, 49, que passava pelo local e viu as mulheres pulando. Morador de Congonhas, na região Central, ele estava na capital de passagem. “A árvore virou condomínio de ratos. Havia centenas”, lembra. Assustado, Filho resolveu filmá-los e levou o vídeo à Vigilância Sanitária, para solicitar providências.

“Dezenas de ratazanas estão habitando o tronco da árvore, o que traz riscos graves à população. A situação é agravada pelo fato de se tratar de uma região hospitalar, com fluxo de pessoas com saúde já debilitada”, dizia a solicitação dele.

resposta. Gerente de Gestão Ambiental, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Márcia Mourão afirmou que não é normal haver ratos em árvores. “Os roedores vêm da presença de detritos”, disse. De fato, há vários restos de comidas nas raízes do fícus, que são aparentes e formam vãos. Trabalhadores da região se sentam na rua para almoçar e deixam restos de comidas no chão. Segundo o dono da banca, uma moradora de rua dá comida aos ratos.

“Sempre teve rato na região, mas parece que eles foram procriando e começaram a chamar a atenção”, disse Almeida.

Entenda

Mosca-branca. A espécie de fícus da avenida Francisco Sales não é do mesmo tipo das árvores das avenidas Bernardo Monteiro e Barbacena que foram infestadas pela mosca-branca.

Saiba mais

Tempo. Conforme a Secretaria Municipal de Saúde, vários fatores podem contribuir para a proliferação de roedores. Em épocas mais chuvosas, muitos animais ficam desabrigados e procuram locais secos.  Espécies. As áreas de maior infestação são vilas e beiras de córregos. Nas vistorias, agentes tentam identificar os possíveis criadouros e orientam a população.

Animais também foram vistos em cano de hipermercado Ratos também foram vistos em um cano que sai do estacionamento do supermercado Extra, próximo ao fícus onde os roedores foram flagrados. O estabelecimento informou que o cano é uma calha para água da chuva e não tem a ver com a rede de esgoto do local. “O Extra possui rigorosos procedimentos para auditar a conservação e a manutenção das suas instalações, que incluem vistorias e dedetizações periódicas na sua loja; e informa que não há presença de roedores em suas dependências”, diz a nota do supermercado. A Vigilância Sanitária informou, por assessoria de imprensa, que faz constantemente vistorias no Extra, por meio de ações de rotina ou quando solicitado via SAC (telefone 156). A última visita ao estabelecimento foi em 10 de outubro.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave