BH é promovida para turismo gay

Segmento cresce 10,3% no mundo, enquanto mercado tradicional tem crescimento de 3,8%

iG Minas Gerais | ludmila pizarro |


Rota. 

Hotel 269 Chilli Pepper será aberto na Savassi, em Belo Horizonte e é destinado ao público gay
Edu Cesar
Rota. Hotel 269 Chilli Pepper será aberto na Savassi, em Belo Horizonte e é destinado ao público gay

Belo Horizonte está sendo promovida na Espanha, desde a última terça-feira, como destino para o turismo LGBT. O projeto “¡Trae Tus Colores!” é promovido pela Embratur e pela ONG Palco e vai até o dia 28 de dezembro. Também estão sendo apresentadas pelo projeto as cidades de Brasília e Rio de Janeiro.

“A receptividade tem sido ótima. Rio de Janeiro é o destino mais conhecido pelo público LGBT, mas, quando falamos dos mais de 50 lugares gays de BH, da arquitetura, do quanto os belo-horizontinos gostam dos bares, das calçadas, de festas, a curiosidade de conhecer a cidade surge”, afirma Welton Trindade, coordenador do projeto. A capital mineira é a terceira cidade do Brasil com mais estabelecimentos voltados ao segmento LGBT e é mostrada com várias opções de visitação, como o Circuito Cultural Praça da Liberdade, com 12 espaços artísticos. De acordo com a Organização Mundial do Turismo, o público LGBT representa 10% dos viajantes e movimenta 15% do faturamento do setor. Além disso, enquanto o mercado mundial de turismo cresce 3,8% ao ano, o segmento avança a 10,3%. Para Trindade, Belo Horizonte ainda não aproveita todo o seu potencial nesse segmento turístico. “O trabalho de promoção de BH como destino gay internacional está começando agora. E mesmo o nacional ainda é incipiente. Mas as perspectivas são incríveis”, diz. Segundo Trindade, dados do governo federal mostram que turistas gays gastam 30% a mais do que os turistas héteros. No Carnaval 2014 do Rio de Janeiro, o turismo LGBT foi responsável por 30,75% da receita total do evento, segundo pesquisa da Riotur. “A cidade de São Paulo investe R$ 2 milhões na Parada LGBT. E isso resulta em R$ 200 milhões de movimentação econômica na cidade em cinco dias”, argumenta Trindade para defender o investimento do poder público e da iniciativa privada da capital mineira no turismo LGBT. “Belo Horizonte é um diamante arco-íris ainda a ser lapidado. Que o governo e empresários descubram o quanto podem ganhar com esse setor. E agora, já com Belo Horizonte ganhando visibilidade internacional”, afirma. A capital conta com cerca de 50 estabelecimentos dirigidos ao público LGBT entre boates, bares, cafés, restaurantes e saunas. “É algo que muitas importantes cidades europeias não possuem”, acrescenta Trindade. E breve a cidade vai ter um hotel direcionado a esse público.

Após a Copa Ocupação. Para a organização do projeto “¡Trae Tus Colores!”, uma das vantagens é o incentivo à ocupação da rede hoteleira que, após a Copa do Mundo, tem expectativa de ocupação baixa para a temporada 2015.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave