O sistema não é justo

iG Minas Gerais |

Viver significa praticar e sofrer injustiça. O mundo não é justo, As pessoas não são justas. O sistema não é justo. Aí eu pergunto: o direito injusto é direito? Como que o América deve aceitar a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva? Os julgadores decidiram pela prescrição do caso envolvendo o Icasa, que havia sido punido com a exclusão da Série B. Com essa decisão do STJD, nessa quinta-feira, no Rio de Janeiro, o clube cearense foi absolvido mesmo tendo recorrido à Justiça comum antes de esgotadas todas as instâncias da Justiça Desportiva. A decisão destruiu o sonho do América, que tinha esperança de ganhar a posição do Avaí e ficar com o direito de disputar a Série A do Campeonato Brasileiro em 2015. O direito justo o América conquistou dentro de campo, mas o direito injusto prevaleceu pela vontade de julgadores que não conseguem o equilíbrio desta balança desregulada que é o nosso judiciário. Judiciário este que tem uma porta de entrada e inúmeras portas de saída. Neste julgamento ficou claro que o tribunal não quis fazer justiça. E por que faria? As cores do América não representam ameaça. Não pressiona, não impressiona e não afeta o curso natural de um tribunal que julga pela conveniência da situação.

Dois pesos. Além de subverter a ordem de vários preceitos, o STJD usou de preconceito e discriminação para julgar o caso desde o início. A lei que foi aplicada para punir o América na Série B do Campeonato Brasileiro não serviu para punir o Corinthians em julgamento na Série A. Essa interpretação da lei é uma porta aberta para a injustiça contra os mais fracos.

Gilvan. Muito prestigiada a posse do presidente Gilvan de Pinho Tavares para o seu segundo mandato à frente do Cruzeiro. Não era para menos. O presidente conseguiu, em pouco tempo, transformar desconfiança em reconhecimento pela competência demonstrada no primeiro mandato que teve. Um presidente que reconhece o seu lugar e se impõe pelas suas atitudes.

Guilherme. O Atlético conseguiu renovar com praticamente todos os jogadores que Levir pretende para 2015. Faltou Guilherme. Ele quer salário europeu para continuar. Não deve ficar. Quem vai mais sentir falta do jogador serão os funcionários do departamento médico, local onde passou a maior parte destes quatro anos.

Lucas Silva. O Cruzeiro não deve se submeter aos desejos do Real Madrid. Jogador não pode ser tratado como uma mercadoria que está exposta na vitrine e o clube compra na hora que bem entender. O poder econômico dos europeus não dá a eles a prerrogativa de se achar melhor que os nossos grandes clubes. Eu ia gostar muito se Lucas Silva fosse vendido para outro clube.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave