‘Donos da rua’ demarcam e cobram por vagas livremente

Ambulantes e flanelinhas aproveitam aumento do fluxo na região no fim de ano para lucrar

iG Minas Gerais | jhonny cazetta |

Ocupado. Além de ocupar ciclovia, ambulantes estacionam ainda com o dia claro
Lincon Zarbietti / O Tempo
Ocupado. Além de ocupar ciclovia, ambulantes estacionam ainda com o dia claro

No fim do ano, a iluminação de Natal transforma a paisagem da praça da Liberdade, em Belo Horizonte. O problema é que uma outra mudança acontece e envolve o trânsito da região. Como se fossem os donos da rua, ambulantes e flanelinhas se aglomeram em vias nas proximidades, demarcando vagas de estacionamento que chegam a ser alugadas por R$ 30. Os abusos começaram no dia 2 deste mês, junto com a inauguração das luzes de Natal. E se os responsáveis continuarem com carta branca para agir, só deve terminar em 6 de janeiro, quando a iluminação for retirada.

Os principais abusos ocorrem na avenida João Pinheiro. Lá, a demarcação das vagas rente à ciclovia, com cadeiras de plástico, pedras, papelão e tudo mais que estiver à mão, começa às 15h. Com isso, a faixa que deveria ser usada por ciclistas fica bloqueada, obrigando as magrelas a circularem em meio aos veículos. “Eles aglomeram pessoas e colocam bancos no meio da pista exclusiva. Teve uma vez que passei de bicicleta e fiquei parado para ver se desconfiavam. Eles abriram espaço para eu passar fazendo cara feia, como se eu é que fosse o errado. Eu e outros colegas ciclistas já chamamos a polícia e fiscais da prefeitura várias vezes, mas nada mudou”, disse o estudante Carlos Almada, 25. O desrespeito, segundo moradores e visitantes, acontece diariamente, mas se intensifica de quinta-feira a domingo, quando também aumenta a visitação na praça. Nesses dias, quando a procura por vagas é ainda maior, os flanelinhas entram em ação. Motoristas contam que o assédio deles beira a extorsão, e o valor exigido chega a R$ 30. “Um deles me disse que era R$ 30 antecipado para parar no início da João Pinheiro e R$ 15 mais abaixo. Disse ainda que se eu não pagasse, não deixaria eu parar. Acabei desistindo e estacionei em uma outra rua. É revoltante”, contou o gerente comercial Alberto Cabral, 48. Congestionamento. Além de demarcar espaço e alugar o espaço público, os ambulantes têm desrespeitado os pontos e horários de permissão de estacionamento, liberado apenas após as 20h. Eles começam a parar às 18h e ainda ocupam os primeiros 50 m da avenida, nas proximidades da praça, onde é proibido estacionar em qualquer horário. “Ninguém respeita nada aqui. E ninguém faz nada sobre isso”, reclamou a comerciante Aline Ribeiro, 47. As irregularidades tumultuam ainda mais o trânsito. Para contornar a praça da Liberdade, os motoristas chegam a gastar 15 minutos. “Antes, eu demorava cerca de três minutos. Mas é muita gente por aqui”, apontou o empresário Francisco Tilli, 53.

Iluminação Período. A decoração de Natal da praça da Liberdade começou em 2 de dezembro e segue até 6 de janeiro de 2015. Neste ano, estão sendo usadas mais de 600 mil lâmpadas das cores branca, vermelha e verde.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave