Argentino vê futebol brasileiro em decadência e quer saber motivos

iG Minas Gerais |

Jorge Barraza é um conceituado jornalista argentino que escreve sobre o futebol mundial, principalmente dos clubes da América do Sul. Tive o prazer de receber os seguintes questionamentos dele: “. . . Estou fazendo uma matéria sobre o futebol brasileiro. Eu vejo que está baixo, não é a potência de outros tempos, não há tantos jogadores craques; a seleção está em reconstrução, os clubes não têm a potência de outras épocas. Inclusive, o jeito de jogar dos clubes e da seleção não é o de antes, quando eram máquinas de jogar. Em sua opinião, o que está se passando...? Onde estão as falhas? Por que não aparecem grandes craques como antes? Uma opinião o mais breve possível, seis linhas. Pode ser?” Resumo da ópera Claro que sim, e com o maior prazer, respondi ao Jorge o que penso, apesar do espaço pequeno para falar do que entendo como as causas desses problemas. Para mim, a falta de craques em grande quantidade nos clubes brasileiros segue o mesmo problema vivido pela Argentina: os jogadores são levados cada vez mais jovens pelos empresários para o exterior, a Europa, principalmente. A maioria dos grandes clubes passa por crises administrativas, em função de gestões incompetentes e ou suspeitas. Diferença Respondi ao colega argentino também que o futebol mineiro é exceção, já que Atlético e Cruzeiro, com diretorias sérias, dominam o futebol brasileiro por dois anos consecutivos, mesmo arrecadando muito menos em direitos de TV e publicidade do que os concorrentes do Rio e São Paulo. A seleção brasileira retrocedeu ao apostar novamente em Felipão, um técnico ultrapassado. Seleção Disse também que Mano Menezes foi demitido da seleção justamente quando estava acertando o time para a Copa, apesar de ter perdido a medalha de ouro em Londres. Para piorar, depois do vexame no Mundial e os 7 a 1 para a Alemanha, a CBF, que já não tem credibilidade com o torcedor brasileiro, aposta novamente em Dunga, quando tinha opções infinitamente melhores.

Seleção

Disse também que Mano Menezes foi demitido da seleção justamente quando estava acertando o time para a Copa, apesar de ter perdido a medalha de ouro em Londres. Para piorar, depois do vexame no Mundial e os 7 a 1 para a Alemanha, a CBF, que já não tem credibilidade com o torcedor brasileiro, aposta novamente em Dunga, quando tinha opções infinitamente melhores.

Opção ideal

Dentre as opções melhores que Felipão, a melhor delas teria sido Marcelo Oliveira, do Cruzeiro, maior novidade entre os treinadores brasileiros depois de Telê Santana. Marcelo, sim, faria a seleção voltar a jogar um futebol bonito, ofensivo e produtivo, além de ser alguém insuspeito. É o que penso!

A fórmula que deu certo

O Palmeiras contratou o zagueiro Victor Hugo, do América, e poderá investir também no meia Andrei Girotto, outro destaque no bom time do Coelho, que garantiu, dentro de campo, pontos para subir para a Série A, mas a incompetência fora das quatro linhas ameaça a vaga. Com aquisições como essas o diretor de futebol Alexandre Mattos, que já trabalha para o clube paulista, tenta repetir o sucesso que obteve no Cruzeiro, buscando jogadores de qualidade a um preço ainda em conta. Empresário poderoso Os direitos de Victor Hugo pertencem ao empresário Eduardo Uran, dono do Tombense, assim como vários outros jogadores espalhados em clubes país afora.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave