Os três agentes cubanos libertados pelos EUA

Pronunciamento dos líderes dos dois países marcam uma fase histórica na relação entre EUA e Cuba; os agentes haviam sido presos por espionagem

iG Minas Gerais | AFP |

Os três agentes cubanos libertados nesta quarta-feira (17) pelos Estados Unidos foram presos em 1998, junto com outros dois, por espionagem às organizações anticastristas em Miami.

Havana promoveu uma grande campanha internacional pela liberdade dos "cinco heróis lutadores contra o terrorismo", que foram condenados em 2001 a longas penas de prisão. Cuba reconheceu que eram seus agentes, mas alegou que não espionavam o governo americano, e sim grupos anticastristas que preparavam atentados na ilha.

Os três agentes libertados são:

- Gerardo Hernández: nascido em Havana em 4 de junho de 1965. Graduado em Relações Internacionais, foi sentenciado a duas prisões perpétuas mais 15 anos. Ele recebeu a maior pena, porque foi acusado de conspirar para a queda de aviões de pequeno porte do grupo anticastrista "Hermanos al Rescate" em 1996 por caças MiG cubanos. Quatro tripulantes morreram no episódio.

- Ramón Labañino: economista nascido em Havana, em 9 de junho de 1963. Foi condenado à prisão perpetua mais 18 anos de prisão, mas sua pena foi reduzida para 30 anos de prisão em dezembro de 2009. Tem três filhas.

- Antonio Guerrero: nascido em Miami (EUA), em 16 de outubro de 1958. Sua primeira condenação foi uma prisão perpétua e mais 10 anos, reduzida em outubro de 2009 para 22 anos de prisão e cinco anos de liberdade condicional. É engenheiro e tem dois filhos.

Os agentes libertados anteriormente são:

- René González: nasceu em Chicago (EUA), em 13 de agosto de 1956. É piloto e instrutor de voo. Condenado a 15 anos de prisão, foi libertado em 7 de outubro de 2011, mas deveria passar outros três anos em liberdade condicional nos Estados Unidos. Renunciou à nacionalidade americana para regressar a Cuba em 5 de maio de 2013.

- Fernando González: nascido em Havana em 18 de agosto de 1963, é graduado em Relações Internacionais. Sua primeira condenação foi de 19 anos de prisão, mas, em dezembro de 2009, uma juíza americana reduziu sua pena para 18 anos. Foi libertado em 27 de fevereiro de 2014 e, no dia seguinte, voltou à ilha.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave