Aplicativo ajuda pacientes a encontrar hospitais mais vazios

Atualmente, o sistema tem 207 hospitais cadastrados nas regiões Sul, Sudeste e Distrito Federal, sendo 23 deles em Minas Gerais, 38 no Rio de Janeiro e 69 em São Paulo

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Aplicativo mostra hospitais mais vazios
Reprodução
Aplicativo mostra hospitais mais vazios

Lançado em outubro, o aplicativo Quickmed tem se mostrado um grande aliado das pessoas que procuram por atendimento médico rápido. A plataforma, que funciona de forma colaborativa, informa aos pacientes qual unidade de saúde está mais vazia e onde a consulta pode ser mais rápida.

Atualmente, o sistema tem 207 hospitais cadastrados nas regiões Sul, Sudeste e Distrito Federal, sendo 23 deles em Minas Gerais, 38 no Rio de Janeiro e 69 em São Paulo. Com 401 usuários cadastrados, a expectativa é que esses números cresçam ainda mais no mês de dezembro.

Idealizado por Fernando Mascarenhas, Bruno Barbosa e Thiago Naves, a plataforma está em fase de implantação e cadastramento de hospitais, mas a previsão é que até 2015 a ferramenta esteja disponível para os usuários de todas as capitais do Brasil.

O aplicativo, derivado da linha Quicksolutions, funciona da seguinte forma: a pessoa que deseja ir a uma unidade de pronto atendimento e atendimento de urgência (seja ela pública ou particular) poderá pesquisar na plataforma do Quickmed qual hospital está mais vazio. Assim que o usuário chegar ao local, ele também poderá atualizar os dados informando aos demais colaboradores a situação de lotação da casa.

Como o aplicativo funciona de forma colaborativa, qualquer usuário poderá informar a situação de atendimento dos hospitais. Além disso, caso a pessoa perceba que uma unidade de saúde não está na plataforma, ela mesmo poderá fazer o cadastro. Para colaborar, basta informar o e-mail pessoal no momento da avaliação.

Para a implantação do sistema, os idealizadores investiram cerca de R$100 mil e o prazo para recuperar é logo no primeiro ano de funcionamento.

Atualmente, os usuários podem avaliar somente o grau de lotação, mas a ideia é inserir outros quesitos com o desenvolvimento do projeto. Outra expectativa dos idealizadores é criar sistemas específicos para os planos de saúde e para os governos com o objetivo de otimizar o tempo dos pacientes e, consequentemente, dos hospitais.