Polícia descobre que mulher deixou menino em carro para ir à manicure

Criança de 2 anos foi achada desacordada em um Gol preto e, segundo depoimentos à polícia, já teria chegado morto ao hospital

iG Minas Gerais | FOLHAPRESS |

Gabriel Alves foi sepultado no domingo, no cemitério de Irajá
Reprodução / Globo News
Gabriel Alves foi sepultado no domingo, no cemitério de Irajá

Policiais civis do Rio que investigam a morte do menino Gabriel Martins de Oliveira Alves, 2, na sexta (12), na zona norte da cidade, descobriram que a mulher que o levaria à creche deixou o menino trancado no carro para fazer as unhas em um salão de beleza.

Gabriel foi achado desacordado em um Gol preto e, segundo depoimentos à polícia, já teria chegado morto ao hospital.

De acordo com o delegado Felipe Curi, da 27ª Delegacia de Polícia (Vicente de Carvalho), os agentes refizeram o caminho de Cláudia Vidal da Silva, 33, na sexta com a criança para saber o que houve com o menino.

Além de imagens de câmeras de vídeo no trajeto, os policiais descobriram que Cláudia da Silva já havia marcado hora para fazer as unhas, diferente do que havia dito, inicialmente, à polícia. Em depoimento à polícia, a mulher afirmou que sentiu um mal súbito e quando recobrou a consciência encontrou o menino desacordado.

A reportagem não localizou Cláudia Vidal da Silva ou seu advogado para que falassem sobre o caso. No momento, a mulher está em liberdade. Ela responde por exercício ilegal da profissão e ainda pode ser autuada por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

A descoberta de que ela mentiu à polícia veio a partir das imagens de câmeras da prefeitura recolhidas pela polícia em ruas da região, além do depoimento da manicure e do proprietário do salão de belezas onde a mulher foi fazer as unhas.

"Localizamos uma testemunha que realmente deu a versão verdadeira de todos os fatos, de que, ela ia ao salão de beleza para fazer as unhas enquanto o Gabriel ficou no carro", afirmou o delegado Curi.

Os policiais que investigam o caso dizem que Cláudia da Silva levava Gabriel Alves para a creche quando parou o veículo, por volta das 10h de sexta, em uma rua de Irajá. O carro estava com os vidros fechados em uma região com forte calor. Quando foi encontrado, duas horas depois, o menino havia sofrido "insolação extrema", segundo relato de médicos de um posto público e que prestaram os primeiros socorros à criança.

Gabriel Alves foi sepultado no domingo, no cemitério de Irajá. Na ocasião, a mãe Carla de Oliveira disse que essa não havia sido a primeira vez que Cláudia da Silva havia esquecido seu filho no carro.

Leia tudo sobre: POLÍCIA CIVILRIO DE JANEIROCRIANÇAABANDONADACARROMORTEINVESTIGAÇÃOMANICUREBRASIL