Capivaras da Pampulha serão realmente esterelizadas, confirma PBH

A decisão foi tomada nesta terça, um dia depois da medida ser apresentada, durante reunião no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pra discutir o problema

iG Minas Gerais | Bernardo Miranda |

Moradia. Animais sobem para jardins residenciais à noite
Lincon Zarbietti / O Tempo
Moradia. Animais sobem para jardins residenciais à noite

A Prefeitura de Belo Horizonte vai realizar a esterilização das capivaras da orla da Lagoa da Pampulha, como forma de controlar a população desse espécie na região que é portadora do carrapato estrela, transmissor da Febre Maculosa. Os machos passarão por vasectomia e as fêmeas por laqueadura das trompas.

A decisão foi tomada nesta terça-feira (16), um dia depois da medida ser apresentada, durante reunião no Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) pra discutir o problema. Quem propôs a esterilização dos animais foi o professor e veterinário Tarcízio de Paula, da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Na década de 1990, a cidade da Zona da Mata viu de perto a proliferação destes animais. Lá, as capivaras também estavam infectadas com carrapatos que tinham a bactéria que causa a febre maculosa. Depois da ação, a população da espécie que chegava a 80 indivíduos, reduziu para oito.

Em Viçosa, além de tornar o animal infértil, foram colocados coletes com remédios para matar os carrapatos nas capivaras. Depois, cavalos foram levados para a mesma região, com o objetivo de servir de “isca” para os carrapatos que sobraram no ambiente. Depois os cavalos eram tratados e os carrapatos retirados. Ainda não há definição se essa medida será usada aqui na capital.

Até o momento, foram capturadas 46 capivaras na Lagoa da Pampulha. Desse total, 28 já tiveram contato com a bactéria que provoca a Febre Maculosa. Isso quer dizer que esses animais ou estão com a doença ou já foram infectadas e desenvolveram resistência.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave