Polícia prende 34 suspeitos de envolvimento em brigas de torcida

Dois deles são acusados de matar um torcedor do La Coruña no dia 30 de novembro

iG Minas Gerais | AFP |

A polícia prendeu nesta terça-feira 34 pessoas, entre elas os dois suspeitos de matar um torcedor do Deportivo La Coruña numa briga entre organizadas antes da partida contra o Atlético de Madri, em 30 de novembro na capital espanhola.

As prisões aconteceram em Madri, Ávila e Toledo, anunciou a polícia espanhola, alertando que a operação ainda não foi concluída e que outras detenções poderão ser feitas, informou um porta-voz à AFP.

Entre os presos estão os dois suspeitos de matar Francisco 'Jimmy' Taboada, membro da 'Riazor Blues', torcida organizada do La Coruña, espancado e jogado no rio Manzanares, que cruza a capital espanhola.

A morte deste torcedor aconteceu durante uma briga generalizada entre torcidas organizadas no dia 30 de novembro, antes da partida entre o Atlético e o La Coruña, nos arredores do estádio Vicente Calderón.

No dia da briga, 21 pessoas foram presas e libertadas dias mais tarde, mas com a obrigação de comparecerem à delegacia duas vezes por mês.

"Operação Neptuno"

A operação desta terça-feira foi batizada de 'Neptuno', nome da praça onde os torcedores do Atlético comemoram os títulos do clube.

Esta série de prisões comprova a vontade das autoridades espanholas de acabar com a violência no futebol, um problema recorrente na país.

Na semana passada, dois torcedores do Paris Saint-Germain foram esfaqueados nas proximidades do Camp Nou, após o duelo entre o clube francês e o Barcelona, pela Liga dos Campeões.

Frente a esta situação, a Liga de Futebol Profissional (LFP), a Federação espanhola (RFEF) e o Conselho Superior de Esportes (CSD) se reuniram para discutir novas medidas contra a violência verbal e física no esporte.

Entre as medidas aprovadas para castigar as ações de torcedores violentos figuram o fechamento parcial de estádios, a perda de pontos e até o rebaixamento de um clube.

Leia tudo sobre: PoliciaprisaotorcidaorganizadaEspanhamorteLa CorunhaAtletico de Madrid