Jaqueline reforça movimento 'não vou me calar', contra a CBV

Ponta do Minas protestou em sua conta no Facebook; assim como muitos, ela espera punições e uma nova gestão do vôlei brasileiro

iG Minas Gerais | DANIEL OTTONI |

Esportes - Belo Horizonte - MG
Apresentacao da atleta de volei Jaqueline , que acaba de ser contratada pelo Minas Tenis Clube

FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 19.11.2014
FERNANDA CARVALHO / O TEMPO
Esportes - Belo Horizonte - MG Apresentacao da atleta de volei Jaqueline , que acaba de ser contratada pelo Minas Tenis Clube FOTO: FERNANDA CARVALHO / O TEMPO - 19.11.2014

A ponta Jaqueline, do Camponesa-Minas, também entrou na avalanche de críticas à Confederação Brasileira de Vôlei (CBV). Relatório da Controladoria Geral da União apontou desvio de R$ 30 milhões e irregularidades em diversos contratos feitos com pessoas próximas ao então presidente Ary Graça, hoje na Federação Internacional de Voleibol (FIVB).

Em sua conta no Facebook, Jaque externo todo seu sentimento de indignação.

"Não dá pra ficar calada com tudo isso que está acontecendo no nosso voleibol! Muito triste pro nosso esporte e toda comunidade do volei que se dedica há anos! Para o Brasil é mais uma vergonha nacional dentre tantas outras que vemos quase todos os dias!", protestou.

Assim como outros atletas que se manifestaram, Jaque espera por punições e por um futuro diferente, justo para atletas, clubes e seleções.

"Quero que as pessoas responsáveis sejam punidas e que possamos reaver aquilo que foi tirado de nós! E que com tudo isso , nossa confederação e a nova gestão possam ter uma caminhada honesta!! Me dedicarei sempre ao que mais amo fazer, que é jogar voleibol, mas gostaria muito que as entidades tivessem mais  respeito com os atletas e todos aqueles que trabalham e torcem pelo nosso esporte!", afirmou.

"As provas das investigações estão aí pra que todos possam ver, e espero do fundo do meu coração que a justiça seja feita", concluiu.