Ministro volta a dizer que não há indícios contra Graça Foster

Na semana passada, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, sugeriu que toda a diretoria da empresa fosse substituída

iG Minas Gerais | Folhapress |

O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) voltou a dizer nesta terça-feira (16) que não há indícios contra a presidente da Petrobras, Graça Foster, que justifique o afastamento da executiva da direção da estatal.

Na semana passada, o procurador geral da República, Rodrigo Janot, sugeriu que toda a diretoria da empresa fosse substituída.

Dias depois, o jornal "Valor Econômico" publicou e-mails de uma ex-gerente da estatal, Venina Velosa da Fonseca, em que ela alertava Foster sobre situações que poderiam levar a sobrepreço na contratação de serviços.

Na semana passada, em coletiva, o ministro havia afirmado que não existiam indícios contra Foster, o que repetiu nesta terça (16).

"Da minha parte é fundamental dizer o seguinte. Atos ilícitos devem ser apurados (...) relativamente à presidente da Petrobras não há nenhum ato ilícito que possa implicar em juízo de valor", disse. Questionado se, independentemente de ilícitos, Foster possuía condições políticas de permanecer à frente da estatal, Cardozo evitou uma reposta direita.

"Qualquer cargo no governo, tanto o meu quanto o de qualquer ministro, de qualquer dirigente de estatal fica, evidentemente, a critério da avaliação do governo."

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave