Em novo encontro com militares, Dilma não fala sobre Comissão

Presidente preferiu não comentar sobre as recentes discussões sobre o relatório da Comissão Nacional da Verdade em cerimônia com oficiais-generais

iG Minas Gerais | Folhapress |

A presidente Dilma Rousseff condecorou nesta terça-feira (16) 117 militares que foram promovidos neste ano a oficiais-generais da Aeronáutica, Marinha e Exército. Sem citar a recente tensão criada entre os militares e setores da sociedade civil após a divulgação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade, Dilma afirmou que o seu governo tem dado grande atenção às necessidades das Forças Armadas.

"São estas as razões que me permitem afirmar que, ao concluir meu primeiro mandato, estamos mais seguros no mar, em terra e no ar", disse.

A presidente agradeceu ao trabalho das Forças Armadas e afirmou que, "no Brasil de hoje, defesa e democracia se reforçam mutuamente".

Após a cerimônia no Planalto, a presidente participou de um almoço com os oficiais no Clube da Aeronáutica, em Brasília. Em um segundo discurso, Dilma agradeceu novamente o empenho dos militares e destacou ações do seu governo que levaram mais transparência às instituições do setor. "No Brasil de hoje, Defesa e democracia andam juntas. Publicamos as novas versões da Política e Estratégia Nacionais de Defesa, assim como a primeira edição do livro branco de Defesa nacional.

Implementamos a Lei de Acesso a Informação no Ministério da Defesa. O interesse da sociedade pelos assuntos da defesa tem crescido continuamente. No Brasil que estamos construindo, Defesa e democracia se reforçam mutuamente", afirmou.

Em tom de despedida diante da reforma ministerial, o ministro da Defesa, Celso Amorim, agradeceu à oportunidade de chefiar a pasta nos últimos anos e disse que enfrentou momentos árduos, mas engrandecedores.

"Minha palavra é de agradecimento pela confiança que a senhora depositou em mim. Fico muito honrado com a oportunidade única com a sua liderança firme e equilibrada que permitiu ao país atravessar mais uma etapa no seu processo democratizante", disse.

Esta foi a segunda vez que Dilma se reuniu com militares desde a publicação do relatório final da Comissão Nacional da Verdade, na última quarta-feira (10). Na ocasião, Dilma chorou ao lembrar dos parentes e amigos mortos durante o período da ditadura militar.

No entanto, o assunto não foi abordado com os oficiais nos dois encontros. O primeiro aconteceu na última sexta-feira (12) quando ela visitou o estaleiro de construção de submarinos da Marinha, em Itaguaí, na baixada fluminense.

Na ocasião, o comandante da Marinha, almirante Júlio Soares de Moura Neto, afirmou após a saída da presidente que a Comissão Nacional da Verdade cumpriu seu papel e que a Marinha, assim como o governo brasileiro, irá se debruçar sobre o relatório final.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave