Sentir-se mais jovem prolonga a vida, diz estudo

Pesquisadores analisaram os dados provenientes de um relatório sobre envelhecimento de 6.498 pessoas de uma média de 65,8 anos

iG Minas Gerais | AFP |

O Brasil se despede da saga de Maya e Raj. Nesta edição, entrevista com escritor João Avelar Lobato e depoimentos de viajantes sobre o exótico país do Oriente
Bruno Figueiredo
O Brasil se despede da saga de Maya e Raj. Nesta edição, entrevista com escritor João Avelar Lobato e depoimentos de viajantes sobre o exótico país do Oriente

As pessoas que se sentem três ou quatro anos mais jovens do que são registram uma taxa de mortalidade menor que as que se veem mais velhas, segundo um estudo publicado nessa segunda-feira (16).

Os pesquisadores analisaram os dados provenientes de um relatório sobre envelhecimento de 6.498 pessoas de uma média de 65,8 anos.

A maioria (69,6%) se sentia três ou quatro anos mais jovem do que era, enquanto 25,6% tinham o sentimento de ter sua idade real, e 4,8% tinham a impressão de ter ao menos um ano a mais.

Durante um período de 99 meses, a taxa de mortalidade foi de 14,3% entre os que se sentiam mais jovens, 18,5% entre os que sentiam que tinham a idade cronológica exata e 24,6% entre os participantes que se encaravam como mais velhos, disse o estudo, publicado na revista médica americana JAMA Internal Medicine.

A percepção que as pessoas têm de sua idade pode refletir seu estado de saúde, seus limites físicos e seu bem-estar, destacaram os cientistas.