Marcão assume ‘sacanagem’

iG Minas Gerais |

Estranho. Marcão Universal (PSDB) faz deboche do próprio projeto apresentado na Câmara
FOTO: JOAO LEUS / OTEMPO
Estranho. Marcão Universal (PSDB) faz deboche do próprio projeto apresentado na Câmara

Enquanto Betim irá gastar R$ 51,7 milhões para manter a mordomia dos 23 vereadores da cidade, as sessões de terça-feira, quando acontecem, não são nada produtivas. Para se ter uma ideia, o tema principal das duas últimas reuniões, foi a discussão sobre a concessão de títulos de Cidadania Honorária.

O vereador Marcão Universal (PSDB), presidente da Casa, levou quase uma semana articulando com outros aliados o veto de um título de Cidadão Honorário para o líder comunitário Ronievon Fonseca.

O representante do governo na Câmara, vereador Eliseu Xavier (PTB), defendeu o veto, dizendo que Neguinho, como é conhecido o líder comunitário, não merecia o título “porque ele havia criticado os vereadores em redes sociais”.

“Ele disse que os vereadores de Betim roubam e não fazem nada. Não podemos aceitar”, disse o vereador.

Eliseu, ironicamente, responde à Justiça por corrupção eleitoral e por usar da prática conhecida como “Rachid”, quando os vereadores exigem de um funcionário nomeado parte de seu salário. O caso corre em segredo de Justiça e pode ter um desfecho em 2015.

Na última semana, Marcão Universal expôs novamente sua opinião sobre o que a maior parte dos vereadores vem fazendo através de seus mandatos: “Sacanagem”. Em seu discurso, Marcão assumiu que estava fazendo uma “sacanagem” com a Casa e, indiretamente, com a população que depositou a confiança nele, o que pode até levá-lo a responder a um processo de quebra de decoro parlamentar.

“Esse projeto só vai à votação se Vossas Excelências assinarem (vereadores). Se não, eu vou retirar esse projeto. Eu nem conheço esse cidadão. Eu fiz isso de sacanagem”, disse.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave